fbpx

O drama da solidão de Greta no cinema

 data-srcset

A solidão da velhice já foi abordada de diferentes maneiras pelo cinema seja nacional ou internacional. Elsa e Fred, Longe Dela e Conduzindo Miss Daisy são alguns que me vêm à mente, assim como o brasileiro O Outro Lado da Rua. Agora, mais um  filme nacional  com o tema chega hoje (10) aos cinemas brasileiros. Inspirado na peça de grande sucesso Greta Garbo, quem diria, acabou no Irajá, Greta é um drama forte que fala sobre amor, sexo e solidão.

A história é de Pedro (Marco Nanini). Ele é um enfermeiro homossexual de 70 anos e fervoroso fã de Greta Garbo. Pedro precisa liberar uma vaga no hospital onde trabalha para Daniela (Denise Weinberg), sua melhor amiga. Com isso, decide ajudar Jean (Démick Lopes), um jovem que acabou de ser hospitalizado e algemado por ter cometido um crime. Pedro o ajuda a fugir  para conseguir a vaga, e esconde-o em sua própria casa até que ele se recupere. Só que nesse período, eles se envolvem afetiva e sexualmente. Essa relação será essencial para que Pedro sobreviva à perda de Daniela, mas também para gerar mudanças surpreendentes em si mesmo e no modo como lida com a solidão.

A razão de fazer Greta

O tom do filme é totalmente diferente da comédia que o inspirou. É um drama forte, de pessoas que não sabem o que fazer de suas vidas. Pedro é fã de cinema, e obcecado por Greta Garbo. Tanto que em momentos de transa, quer ser chamado pelo nome da atriz. Nanini têm momentos de entrega completa ao personagem, e isso pode ser um choque para aqueles acostumados a vê-lo como o Lineu de A Grande Família. Ele falou sobre essas escolhas de papéis e diferenças entre TV e cinema numa conversa com a imprensa.

Greta têm cenas de nu frontal, sexo gay, palavrões, e é um drama forte e pesado. Ou seja, se você têm problemas com isso, é melhor evitar. Mas, se não, verá uma história envolvente, uma grande interpretação de Nanini, que se desnuda completamente (tanto de corpo como de alma). A oportunidade de fazer uma história  sobre a realidade nua e crua. O próprio Nanini  declarou que buscava um texto que lhe permitisse assumir a idade e mostrar seu corpo. É também interessante a homenagem a Greta Garbo, que os amantes de Pedro não tem ideia de quem poderia ser ( e provavelmente muita gente que vai ver o filme também não). Mas os fãs da estrela, e de seu melhor filme  (na minha opinião), Rainha Cristina, vão reconhecer uma inspiração no momento final do filme.

 

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *