fbpx

A redescoberta do Meu Eterno Primeiro Amor

Quando recebi as informações do lançamento de Meu Eterno Primeiro Amor nas plataformas digitais, fiquei logo interessada. Afinal, o primeiro amor é aquele que a gente não esquece. E o filme é sobre o reencontro dessas duas pessoas que se apaixonaram quando eram adolescentes. E agora a odestino fez que se reencontrassem num lugar estranho. Para meu coração totalmente romântico, era imperdível. Ele está disponível no Now, Vivo Play, Looke, Microsoft, Apple TV e Google Play.

Paul é um fotógrafo aventureiro que encontra seu primeiro amor, Anna, em um movimentado mercado filipino. A paixão nunca esquecida do viajante reacende. Os dois decidem então passar o dia juntos . Só que isso vai mexer com seus princípios sobre relacionamentos, religião e situações pré-estabelecidas.  Uma coisa leva à outra, e eles passam a noite juntos. E isso vai mudar tudo o que Paul pensa sobre amor e vida.

Adoro essas histórias sobre caminhos não percorridos. Sobre o “e se…”, reencontros, novas chances. Geralmente são as que mais me emocionam. Meu Eterno Primeiro Amor é o primeiro longa-metragem de Luke Mayze, que é conhecido por seus curtas. E ele só tem 1h17, ou seja é rápido ao contar a história desses dois durante um período de 24 horas.

A crítica

Adoro o fato que eles se encontram ao acaso. A gente acaba não sabendo muito sobre Anna. O personagem central é Paul, que ficou totalmente marcado por um amor de adolescente. Ele vê claramente no reencontro com Anna a oportunidade de resgatar um sentimento que foi tão especial. E obviamente ele nunca mais teve igual depois. A primeira parte do filme, que mostra os dois passeando pela cidade, é bonita.  Mas não tão eficiente quanto a segunda. Ali, quando os dois chegam na casa de Paul (maravilhosa, aliás), é que realmente o filme se diferencia até o final.

Os dois atores, o australiano Steven Rooke, e a italiana Carlotta Morelli são muito bons, e conseguem passar todos os sentimentos que cobrem esse reencontro. Eu gostei que o filme não pinta a história de cor de rosa (tipo Meu Eterno Talvez). Essas duas pessoas seguiram caminhos muito diferentes. Mas mesmo assim a atração, a paixão e o amor estão presentes. De uma maneira bem diferente da adolescência, mas ainda totalmente intenso. Valeu para Paul, e valeu para mim também!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *