fbpx
Conecte com a gente

Olá, o que você está procurando?

Cinema

Shailene Woodley, Jamie Dornan e Sebastian Stan vivem um Amor a Três

Eu me lembro de ter ouvido falar sobre Amor a Três no fim de 2019, por causa da atuação de Shailene Woodley. Chegavam até a falar em possível presença dela na Temporada de Premiações. Mas isso não acabou rolando. O tema e mais a direção extremamente contemplativa provavelmente afastaram muita gente dos cinemas. Amor a Três não é um filme fácil de ver, mas é corajoso e vale conhecer.  Ele está disponível  nas plataformas Claro Now, iTunes/Apple TV, Google Play, Vivo Play, Amazon e Sky Play, nas versões dublada e legendada.

Daphne está se recuperando de um momento difícil de sua vida. Depois de um acontecimento, ela largou tudo e foi morar com a irmã. No decorrer de um ano, Daphne ficará dividida entre o amor de dois homens, Jack e Frank. Tudo acontece numa festa. Ela conhece esses dois homens, que são amigos, completamente apaixonados por ela, mas de personalidades bastante distintas. Jack é um intelectual romântico, enquanto Frank é um tipo bad boy. A distinção entre os dois a deixa dividida, pois cada um, a seu modo, oferece-lhe exatamente aquilo que ela procura.

O que achei de Amor a Três?

É preciso deixar claro que Amor à Três não é um filme de sacanagem. Sim, tem cenas de sexo, mas o destaque é o drama. É um filme de choros, dúvidas, culpas. Tudo a um ritmo lento, como se quisesse capturar os sentimentos nos silêncios. O filme também não aponta dedos, não culpa ninguém. Tenta entender a todos, especialmente Daphne. Ela mesma diz que os dois homens a completam, e leva a situação até onde consegue. Álcool, cigarros, e drogas fazem parte importante da história.

O filme funciona muito bem em parte devido ao carisma de seus três atores. E, claro, o filme é um show de Shailene Woodley, com aquela expressão de que está prestes a explodir #sóquenão. Várias vezes ela diz que está tudo bem, quando claramente não está. Tanto Jamie Dornan como Sebastian Stan estão em grande forma. Totalmente diferentes de Cinquenta Tons de Cinza ou de Falcão e o Soldado Invernal. Jack e Frank são muito diferentes, e é óbvio  que é isso que atrai Daphne. Um é a paixão, o fogo, outro a constância, a segurança. Pode ser que muita gente vá odiar. Afinal é difícil ter empatia com esses personagens. Mas, eu gostei do entendimento sem vergonha do diretor Drake Doremus sobre a vulnerabilidade desses três.

Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você também pode gostar de ler

Streaming

Hollywood adora um sucesso inesperado. Em 2019, o filme Escape Room custou 9 milhões e teve uma receita de 150 milhões. Hoje ele está...

Streaming

A gente tem uma percepção que o cinema argentino só tem coisa boa. #sóquenão, rs. Hoje estreia nos cinemas o filme Diabo Branco. É...

Cinema

Quando Jamie Dornan fez Voando para Casa, disponível na Netflix, ele ainda não era Christian Grey. Mas já tinha impressionado como o xerife de...

Cinema

Há uma coisa que sempre me emociona quando vejo filmes românticos. É o “e se…”. Ou seja, caminhos que poderiam ter sido seguidos e...

Cinema

Sexta-feira é dia de estreias. A Netflix tem três que chegaram hoje (23) e para mim são imperdíveis. Tem terror, suspense, e um romance...

Streaming

É sempre a mesma coisa. A gente nem consegue dar conta dos lançamentos de streaming do mês, e lá vem os destaques do mês...

Cinema

Cada vez mais temos acesso a filmes que mostram para o mundo a situação de racismo dos anos 60 e 70 e ainda usando...

Cinema

Jeffrey Dean Morgan é um daqueles atores que fazem diferença. Costumo dizer que assunto qualquer coisa com ele. Até leitura de lista telefônica. Rsrsrs....