fbpx

O #prazercomculpa da série da Netflix, Sex/Life

Ok, a gente desde sempre vê esses filmes e séries que eu chamo de #prazercomculpa. São conteúdos sensuais, que tem geralmente problemas na história, exageros, roteiros bobos. Mas, desde sempre, a gente não resiste! É até difícil fazer uma crítica. Afinal, esses conteúdos não estão aí com o objetivo de serem considerados obras de arte. Não mesmo! Rsrsrs! Lembro quando vi a primeira vez 9 e 1/2 Semanas de Amor, um clássico (!!) do gênero, rs. Recentemente tivemos um monte deles. Todos os filmes de Cinquenta Tons de Cinza, 365 dias, Desejo Sombrio... É possível achar um monte deles no streaming. E o mais recente, sobre o qual todo mundo está falando, é Sex/Life,  série que estreou semana passada na Netflix.

A história

A personagem principal é Billie Connelly (Sarah Shahi), uma dona de casa que tem dois filhos pequenos e mora em um subúrbio chique em Connecticut. Mas as coisas já forma muito diferentes. Antes de se casar com o bem-sucedido Cooper (Mike Vogel), ela levava uma vida beeem selvagem na cidade de Nova York. Junto de sua melhor amiga Sasha (Margaret Odette), ela costumava se divertir todas as noites. E nunca perdia uma oportunidade. Agora, quanto mais Billie se afunda no cotidiano familiar, mais ela sente falta de seu passado tão agitado. Especialmente do relacionamento com seu ex-namorado Brad (Adam Demos), grande paixão de sua vida.

 

Presa entre suas responsabilidades reais e seus desejos sexuais, ela começa a escrever um diário. Coloca lá todas as fantasias selvagens e fatos reais que viveu com seu antigo amante. Até que, um dia, seu marido lê tudo isso. Percebe então a necessidade de Billie voltar a ser quem era. Assim, o casal embarca em uma jornada de autodescoberta, que vai colocar seu casamento no meio de uma crise.

O elenco

Bem, vamos por partes. O elenco está ótimo. Sarah Shahi, de séries como The Rookie e Chicago Fire, está ótima e linda como Billie. E também totalmente livre com seu corpo (acho um horror aqueles filmes em que a mulher transa de sutiã). Os dois homens da vida de Billie também funcionam. Aliás, que corpos!!! Você deve lembrar de Mike Vogel (Cooper) das séries Under the Dome e Bates Motel. Já o australiano Adam Demos é da série UnReal. É aquele “feio bonito”. E sexy! Aliás, ele e Sarah Shahi começaram a namorar durante as filmagens de Sex/Life e estão juntos até hoje.

A crítica

 Sex/Life tem cenas bem quentes. Tem inclusive nu frontal, muitas cenas de transas e uma festa/ suruba. Ou seja, você já sabe o que esperar. Mas o grande ponto da série é a dúvida dentro da cabeça de Billie. Os dois homens representam duas fases de sua vida. E ela deseja ter as duas coisas, por mais improvável que isso possa acontecer.  São os dramas internos que fazem com que ela faça muita bobagem – a cena do jantar dos quatro é um exemplo. Além disso, Billie gosta muito de DR – “vamos falar sobre o que aconteceu ontem à noite?”

É óbvio que toda essa divisão de Billie tem muito a ver com o tempo passando. E acontece após o nascimento de seu segundo filho, o que provavelmente também implica uma dose de depressão pós-parto. O que ficou para mim é que Billie descobre que não pode perder mais tempo. E isso complica mais com a presença de Brad, disposto – muito disposto –  a tê-la de volta.

Brad e Cooper

Brad é aquela paixão que nunca teve um fechamento definitivo. Todo mundo já viveu isso algum dia, certo? É aquele que aparece e desaparece na vida. E quando chega, vem arrasando. Rsrs. Paralelamente, Cooper, o marido, não dá a atenção que Billie gostaria, o sexo também não é mais aquele. E além do mais, Cooper não é tão perfeito como deseja parecer. Pra começar, fica fuçando no laptop da mulher. Ou seja, nem pensar em privacidade, certo?

Durante seu oito episódios, Sex/Life vai nessas idas e vindas do relacionamento de Billie e Cooper. Há também muitos sonhos de Billie com Brad. Passado e presente se misturam a todo o momento. Além disso, há a vizinhança onde eles vivem, onde as esposas parecem saídas daquele filme, As Esposas de Stepford. E aí, tem o final… Se ainda não viu o último episódio, pare de ler aqui. Porque lá vem #spoiler!!! #SPOILER

Os #spoilers

Muita gente ficou revoltada com a sequência final de Sex/Life, que sugere que Billie resolveu seguir um terceira via. Ou seja, ficar com os dois. Na verdade, para mim fica muito claro que depois que tudo o que passaram, ela e Cooper não teriam mais condições de ficar juntos. E Brad será sempre uma presença que abalará sua estrutura. No final, analisando a história, e sem pré-conceitos, é possível entender a maneira como a criadora, Stacy Rukeyser (a mesma de UnReal), escolheu para terminar essa história. Ao mesmo tempo, deixa uma porta aberta para uma possível segunda temporada, ainda não confirmada pela Netflix. Mas extremamente provável…

 

 

 

Existem 1 comentários

  1. Eu estou acabando o 7o episódio amanhã termino mas tenho certeza que o final não vai ser o que eu esperava kkkkk mas li no spoiler que talvez tenha outra temporada? Será? Tb gostei do prazer com culpa Kkklkk bj

    Resposta

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *