fbpx
Conecte com a gente

Olá, o que você está procurando?

Cinema

Filhos do Ódio é um filme obrigatório, baseado em fatos reais.

Cada vez mais temos acesso a filmes que mostram para o mundo a situação de racismo dos anos 60 e 70 e ainda usando personagens reais. É o caso de Selma, Judas e o Messias Negro, ou o meu preferido, Infiltrado na Klan. Este último tem direção de Spike Lee, que sempre foi uma grande voz para denunciar o racismo no cinema americano.  Spike também é o produtor de outro filme que se baseia em uma história real. É Filhos do Ódio, que estreou ontem (25) nas plataformas digitais. Ele está disponível para compra e aluguel. Pode ser encontrado na Claro Now, Vivo Play, Sky Play, iTunes/Apple Tv, Google Play e YouTube Filmes.

Nos anos 60,  o filme segue a história de Bob Zellner (Lucas Till, o novo MacGyver), um jovem branco do Alabama e neto de um membro da Ku Klux Klan.  Bob começa a questionar a segregação racial nos Estados Unidos, no auge das atividades de grupos supremacistas brancos. É quando ele se  encontra com importantes líderes negros da época. Entre eles, Rosa Parks e John Lewis, Tudo o prepara para que ele se torne o primeiro secretário branco do Comitê Coordenador Estudantil Não-Violento. Só que isso transforma totalmente sua vida, especialmente sua relação com amigos e com a noiva.

A crítica

O roteiro se baseia no livro biográfico The Wrong Side of Murder Creek, escrito por Bob Zellner e Constance Curry. Bob continua presente no movimento dos Direitos Civis americanos. Aos 82 anos, é um dos mais respeitados porta-vozes da causa. O filme se concentra na descoberta  do jovem. O envolvimento começa a partir de situações provocadas por um trabalho de escola. A jornada é muito bem feita e produzida. Sabe ressaltar o aspecto do despertar do jovem. E especialmente como ele conseguiu despertar a confiança dos líderes negros da época.

O filme proporciona mais uma oportunidade para Lucas Till demonstrar como pode ser uma figura extremamente interessante em qualquer papel. Mas o filme não é só dele. Lucy Hale tem um papel pequeno, mas importante, como a noiva de Bob. Inicialmente dá força para ele, mas depois se posiciona a partir do momento que isso pode atrapalhar seus planos. Brian Dennehy, em seu último papel, usa aquela sua imagem poderosa como o avô, parte da Ku Klux Klan. E ainda há outros: Lex Scott Davis (Joanne), Cedric the Entertainer (Abernathy), Sharonne Lanier (Rosa Parks).

Filhos do Ódio prende a atenção. É um daqueles obrigatórios para quem quer saber mais sobre a história do movimento negro americano.

 

Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você também pode gostar de ler

Séries

Confesso que a primeira temporada de The Walking Dead: World Beyond não me conquistou tanto como eu esperava. Mas, de qualquer maneira, a série...

Streaming

A gente tem uma percepção que o cinema argentino só tem coisa boa. #sóquenão, rs. Hoje estreia nos cinemas o filme Diabo Branco. É...

Cinema

Gosto bastante de histórias sobre o momento em que houve uma luta pelos direitos civis dos negros nos anos 60 e 70 nos Estados...

Cinema

Jeffrey Dean Morgan é um daqueles atores que fazem diferença. Costumo dizer que assunto qualquer coisa com ele. Até leitura de lista telefônica. Rsrsrs....

Streaming

Filmes sobre relacionamentos proibidos do passado entre mulheres tvem ganhando cada vez mais espaço no cinema. Recentemente, tivemos o francês Retrato de uma Jovem...

Cinema

Um pouco antes de seu lançamento nos cinemas, Amonite era considerado um daqueles filmes para o Oscar. Especialmente com as  atuações de Kate Winslet...

Cinema

Cidade de Mentiras pode ser visto como um filme maldito. Isso porque ele foi produzido em 2016. E ficou todo esse tempo engavetado. Há...

Cinema

Gosto de descobrir esses filmes policiais classe B. Ou seja, esses que não vão para o cinema (ou não iriam na pré – pandemia)....