fbpx

A terrível história de Melissa Benoist

Lembro-me bem quando vi Melissa Benoist pela primeira vez. Foi num episódio de Glee, ela era Marley Rose, com uma beleza  doce e uma voz incrível de anjo. Logo que o arco de sua história começou, ela foi disputada por dois dos personagens, Jake (Jacob Artist) e Ryder Lynn (Blake Jenner). Sempre achei que a química perfeita era entre Marley e Ryder. E não demorou muito para que Melissa e Blake assumissem que estavam namorando na vida real. Isso foi em 2013. Glee acabou, os dois se  casaram, Melissa foi fazer Supergirl. Logo houve a separação em 2017, e pouco tempo depois,  Melissa  Benoist anunciou que estava namorando Chris Wood, seu co-astro. Eu fui uma daquelas que ficou chateada com o fim daquela história de amor que parecia perfeita. #Sóquenão.

A história

Nessa quarta-feira (27), Melissa soltou nas redes sociais um vídeo de aproximadamente 14 minutos contando sua história de violência doméstica. Ela declara que sofreu meses durante um relacionamento com diversos tipos de violência. Apesar de não dizer o nome da pessoa que fez isso com ela,  a conclusão que se chega é que ele só pode ser Blake Jenner, que desativou os comentários em suas redes sociais desde que o vídeo de Melissa foi publicado. Ela descreve o seu agressor:

“Ele era uma pessoa magnânima, você não tinha escolha a não ser ficar atraída por ele. Podia ser charmoso, engraçado, manipulador, desonesto. Ele era mais novo do que eu [Blake é quatro anos mais novo], sua maturidade é óbvia. Por um tempo, eu não estava interessada. Eu era solteira recente,  me acostumando com a mudança em minha vida.”

O início do abuso

Segundo ela, o abuso não era violento no início…

“Em geral, trabalho era um assunto complicado. Ele não queria que eu beijasse ou tivesse cenas onde flertasse com homens, o que era muito difícil de evitar. Então eu comecei a recusar testes, ofertas de emprego, amizades, porque eu não queria machucá-lo.”

Segundo ela, a violência começou uns cinco meses depois, e ela chegou a detalhar os abusos que sofreu. Num primeiro momento, “ele” atirou um smoothie na cara dela (quem é fã de Glee vai entender  o que isso significa)

” A verdade é que eu aprendi o que significava estar abatida, sendo estapeada repetidamente, com socos que me deixavam sem ar, sendo puxada pelo cabelo, levando cabeçadas, sendo beliscada até minha pele se partir, imprensada na parede até o ponto que o drywall quebrou, sufocada. Eu aprendi a me trancar em salas, mas logo parei já que a porta acabava inevitavelmente derrubada. Aprendi a não dar valor a coisa alguma em minha propriedade- substituível ou não. Eu aprendi a não dar valor a mim mesma.”

Mas por que ela continuava?

Melissa explica que “lá no fundo eu nunca acreditei que ele poderia mudar. Eu só me enganei pensando que poderia ajudá-lo… Alguém tinha que mostrar a ele que sua forma de agir não era OK, e qum melhor do que a pessoa que estava sofrendo tudo isso?” Melissa assume que ela  mesma se tornou violenta, algo de que ela não se orgulha.

O golpe final

O golpe final aconteceu quando o abusador atirou um iPhone na cara  dela. Isso causou um problema que alterou sua visão para sempre. “o impacto rasgou minha íris, quase rompeu meu globo ocular, rasgou minha pele, e quebrou meu nariz. O olho inchou, assim como meus lábios… Algo dentro de mim se quebrou. isso tinha ido muito longe.”

Os olhos de Melissa após a agressão

“Deixá-lo não foi como um passeio no parque. Não é um evento, é um processo. Tive sentimentos complicados porque estava deixando-o, e por magoar uma pessoa que havia protegido por tanto tempo. E sim, sentimentos de tristeza por deixar algo familiar. Mas por sorte, no que diz respeito às pessoas que deixo entrar, nunca perdi a clareza que continuava a me lembrar ‘Você não merece isso’.”

Abaixo o vídeo de Melissa Benoist no Instagram, sem legendas.

 

 

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *