fbpx
Conecte com a gente

Olá, o que você está procurando?

Cinema

Uma história emocionante de atletas que correm atrás de um sonho

As filmagens de 4×100: Correndo por um Sonho aconteceram em 2017. O filme deveria ter sido lançado no ano passado junto com as Olimpíadas de Tóquio. Só que aí veio a pandemia, e tudo teve que ser adiado. Ele finalmente está sendo lançado nos cinemas hoje (24).  Logo no início, há um aviso sobre a situação, sobre o adiamento da Olimpíada. E prepara a audiência para aquilo que vai encontrar.

Tudo começa com uma derrota no revezamento 4×100 durante os jogos no Rio. Isso vai marcar para sempre as vidas das atletas. Anos depois, Maria Lúcia, a culpada pela eliminação, segue brilhando no atletismo e na mídia. Já Adriana, que trabalhou duro na competição, vive frustrada de pequenas lutas de MMA. Agora, elas têm uma nova chance de reescrever suas histórias com a Olimpíada de Tóquio. Será que essa dupla conseguirá deixar suas desavenças de lado pelo grupo?

A crítica

Fiquei muito surpresa – positivamente –  com 4×100: Correndo por um Sonho. A gente está acostumada a ver tantos filmes americanos sobre a luta de atletas para conquistarem um pódio. Sim, já tivemos alguns, mas sempre baseados em histórias reais de figuras conhecidas. É a primeira vez, que eu me lembre, que vemos uma sobre personagens de ficção, e ainda mulheres que vivem a difícil vida do atletismo no Brasil. Foi uma luta da atriz Roberta Alonso (que faz o papel de Rita). Ela que visualizou essa história no cinema e foi atrás de produtores. O filme mostra os problemas pessoais dessas mulheres abnegadas, e que dependem uma da outra para alcançar seus objetivos.

O Japão mostrado na tela foi todo criado aqui no Brasil mesmo. E funciona. Boa parte foi criada com efeitos especiais. O público que lotava as arenas dos jogos era feito completamente por CGI. Tudo muito bem feito. As atrizes também estão todas ótimas. Falam como a gente, não aquela coisa discursiva  que é uma mania em voa parte dos filmes nacionais. Foi um prazer de ver – e ouvir.

No final, o filme ainda faz uma pequena homenagem às grandes estrelas da história do nosso atletismo. Gente que foi em frente sem apoio. Importante lembrar delas. E com esse fechamento, acaba sendo um grande filme, que emociona, que vai fazer você torcer por essas mulheres, e ainda até dar uma choradinha no final.

Eu tive o prazer de conversar com o diretor Tomás Portella e com o elenco sobre o filme. Estavam lá Thalita Carauta, Cintia Rosa, Fernanda de Freitas, Roberta Alonso, Priscila Steinman e Augusto Madeira. Veja aqui o vídeo:

 

Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você também pode gostar de ler

Cinema

Pronto para as dicas da semana? O lançamento mais badalado da semana é de cinema. Finalmente chegou a esperada adaptação de Duna. Já houve...

Cinema

Ninguém pode dizer que Denis Villeneuve não é um homem corajoso. Afinal, ele fez a sequência de um dos filmes mais adorados pelos fãs...

Streaming

Faz tempo que ouço falar sobre Abe. O filme, dirigido por Fernando Grostein , se passa em Nova York. E tem Noah Schnapp ,...

Cinema

A produção de O Último Duelo, que estreou nessa semana nos cinemas, é maravilhosa. Isso sempre é um destaque na filmografia de Ridley Scott....

Cinema

Em 2018, o filme Halloween deu um “refresh” na franquia de mais de 40 anos. Quebrou vários recordes, e fez muito dinheiro. Já deixou...

Cinema

Ridley Scott é quase sempre referência quando se fala em um espetáculo grandioso. Já foi indicado quatro vezes ao Oscar, uma delas por Gladiador....

Cinema

O feriado de Nossa Senhora de Aparecida me parece um bom dia para escrever a crítica do filme de Nossa Senhora de Fátima. Fátima:...

Cinema

O final de semana está chegando e o grande acontecimento é a estreia de Venom: Tempo de Carnificina no cinemas. Ele é o destaque...