fbpx
Conecte com a gente

Olá, o que você está procurando?

Cinema

Com ação e violência, Mortal Kombat cumpre o o que promete!

Eu já começo dizendo que não entendo nada de games. Rsrs. Não jogo, e conheço somente os nomes. Por isso, fui assistir o novo filme de Mortal Kombat, que estreia nessa quinta nos cinema, sem grandes informações. É claro que devo ter perdido um monte de referências. Era óbvio em algumas cenas aquela “paradinha” para esperar os fãs gritarem muito, rs. Então, esse texto, na verdade, é só uma análise cinematográfica, sem o lado gamer.

Primeiro a história. Tudo começa por volta dos anos 1600, com uma bela sequência. A família de um grande guerreiro é dizimada, e isso terá uma grande importância numa guerra séculos depois.  Nos dias atuais, o lutador de MMA, Cole Young,  está acostumado a apanhar por dinheiro. Só que ele não faz ideia da herança que carrega. E muito menos por que o Imperador da Exoterra, Shang Tsung, enviou seu melhor guerreiro, Sub-Zero, um criomancer de outro mundo, para acabar com ele. Temendo pela segurança de sua família, Cole sai em busca de Sonya Blade por recomendação de Jax. Este é um major das Forças Especiais que tem a mesma estranha marca de nascença na forma de dragão de Cole. É quando este acaba no templo do Lorde Raiden, um Deus Ancião e protetor do reino da Terra, que acolhe aqueles que ostentam a marca.

Lá, Cole treina com os experientes guerreiros Liu Kang, Kung Lao e o mercenário vigarista Kano. Eles devem se preparar para enfrentar inimigos oriundos da Exoterra em uma arriscada batalha pelo universo. Mas será que ele conseguirá desbloquear sua arcana – o imenso poder que existe dentro de sua alma? E tudo a  tempo de não só salvar sua família, mas também de vencer a Exoterra de uma vez por todas?

A crítica

O que você acha? Rsrs. Mesmo para quem não conhece o game, a história é óbvia. O roteiro tem uma boa barriga no meio, durante os treinamentos, que poderia ter sido melhor editada. Mas as cenas de lutas são boas, bem coreografadas. Também é bem violento, como, por exemplo, uma que inclui uma pessoa cerrada ao meio. Ou seja, prepare-se. A direção de arte é competente, o que provavelmente é influência do produtor James Wan.

Já os atores não são muito conhecidos. Mehcad Brooks, de Supergirl, é Jax, e Jessica McNamee (Sirens) é Sonya. Lewis Tan, que faz o papel principal, foi visto em Into the Badlands. A cara mais familiar é a de Hiroyuki Sanada, veterano ator japonês, de The Last Ship, Extant, e Wolverine – Imortal. No final, esse novo Mortal Kombat cumpre aquilo a que se propõe. E deixa bem claro ao final que pretende virar uma franquia!

Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você também pode gostar de ler

Cinema

A produção de O Último Duelo, que estreou nessa semana nos cinemas, é maravilhosa. Isso sempre é um destaque na filmografia de Ridley Scott....

Cinema

Em 2018, o filme Halloween deu um “refresh” na franquia de mais de 40 anos. Quebrou vários recordes, e fez muito dinheiro. Já deixou...

Cinema

Ridley Scott é quase sempre referência quando se fala em um espetáculo grandioso. Já foi indicado quatro vezes ao Oscar, uma delas por Gladiador....

Cinema

O feriado de Nossa Senhora de Aparecida me parece um bom dia para escrever a crítica do filme de Nossa Senhora de Fátima. Fátima:...

Cinema

O final de semana está chegando e o grande acontecimento é a estreia de Venom: Tempo de Carnificina no cinemas. Ele é o destaque...

Cinema

Lembro que quando Venom  estreou em 2018, todo mundo esperava pelo pior. Mas o filme tinha um bom ritmo, e ainda os diálogos divertidos...

Streaming

Comédia romântica é um de meus gêneros preferidos. Sempre busco alguma perdida no streaming. E, por várias vezes, passei por Te quiero, Imbecil na...

Cinema

Eu gosto dos filmes de James Bond da fase de Daniel Craig. Menos Spectre, que é bem fraco, especialmente no que diz respeito à...