fbpx
Conecte com a gente

Olá, o que você está procurando?

Cinema

A volta do cavalo Spirit para o cinema

Talvez você se lembre de um desenho de 2002, que passou nos cinemas, chamado Spirit: o Corcel Indomável. Está disponível na Netflix. Mostrava a amizade do cavalo selvagem Spirit e o índio Lakota, e como eles acompanham a colonização do local onde vivem. Era bonitinho! Em 2017 a história foi retormada para uma série da Dreamworks. Mas com algumas mudanças. Agora a heroína era uma garota, entretanto, a amizade com o cavalo selvagem continua. Spirit: Cavalgando Livre teve oito temporadas – também disponíveis na Netflix. E com base nessa história, a Dreamworks resolveu fazer uma aventura para o cinema com os personagens, mas com uma qualidade muito melhor de animação. Spirit: O Indomável estreia no cinema nesta quinta – e é bem fofinho!

A pequena Lucky Prescott tenta fazer tudo direito, mas as coisas sempre dão errado.  Depois de estragar a festa do avô, ela e a tia resolvem visitar o pai da garota, que mora em uma pequena cidade fronteiriça. No caminho, no trem ela vê pela primeira vez Spirit, um cavalo selvagem. Logo Lucky e Spirit acabam criando uma ligação muito especial.  Só que a família de Spirit é raptada por bandidos. E caberá a ela e suas duas amigas ajudarem Spirit a recuperar a sua família. E, no meio do caminho, claro, vai embarcar em altas aventuras.

A crítica

Ou seja, para quem acompanha a série, é basicamente uma reinterpretação e alongamento do primeiro episódio. Obviamente, o nível da animação é consideravelmente melhor. Mas não espere algo revolucionário, tipo Shrek. É apenas uma animação comum, bem colorida. Mas que tem uma história fofinha, que mostra uma garota determinada. E, claro, suas amigas igualmente destemidas. Ou seja, o filme defende com unhas e dentes o conceito de girl power.

A crítica provavelmente vai destruir o filme. Mas ele tem um grande apelo para as crianças. Mostra a importância do amor pelos animais, o valor da amizade. E quer saber? Me fez até dar uma choradinha no final (continuo a ser uma criança no coração, rsrs). Só senti falta de poder ouvir as vozes originais de Isabela Merced, de Dora e a cidade perdida (Lucky), Jake Gyllenhaal (Jim Prescott) e Julianne Moore (Tia Cora). Quem sabe um dia…

Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você também pode gostar de ler

Cinema

A produção de O Último Duelo, que estreou nessa semana nos cinemas, é maravilhosa. Isso sempre é um destaque na filmografia de Ridley Scott....

Cinema

Em 2018, o filme Halloween deu um “refresh” na franquia de mais de 40 anos. Quebrou vários recordes, e fez muito dinheiro. Já deixou...

Cinema

Ridley Scott é quase sempre referência quando se fala em um espetáculo grandioso. Já foi indicado quatro vezes ao Oscar, uma delas por Gladiador....

Cinema

O feriado de Nossa Senhora de Aparecida me parece um bom dia para escrever a crítica do filme de Nossa Senhora de Fátima. Fátima:...

Cinema

Lembro que quando Venom  estreou em 2018, todo mundo esperava pelo pior. Mas o filme tinha um bom ritmo, e ainda os diálogos divertidos...

Streaming

Comédia romântica é um de meus gêneros preferidos. Sempre busco alguma perdida no streaming. E, por várias vezes, passei por Te quiero, Imbecil na...

Cinema

Eu gosto dos filmes de James Bond da fase de Daniel Craig. Menos Spectre, que é bem fraco, especialmente no que diz respeito à...

Streaming

Sexo vende e todo mundo sabe. Especialmente em tempos de pandemia quando o contato fica mais difícil. Então vários conteúdos disponíveis no streaming tiveram...