fbpx

Soul é o novo desenho emocionante da Pixar

Desde o lançamento de Toy Story em 1995, a gente aguarda ansiosamente o lançamento da Pixar do ano. Alguns deles como Ratatouile, Divertida Mente, Wall-E e Viva- A Vida é uma Festa são apenas alguns que ganharam o Oscar de animação. A bola da vez desse ano nas premiações é Soul, que estreia nesse dia 25 diretamente no Disney Plus. É o primeiro longa da empresa que não terá lançamento nos cinemas.

A estratégia é compreensível. Com a pandemia, a ideia de famílias inteiras indo aos cinemas – mesmo que estes sejam um dos lugares mais seguros – não parece interessante para a Disney. E por outro lado, é um atrativo para fazer com que pais assinem o Disney Plus. E ainda há um outro fator. Soul é um filme bem conceitual. Fala todo o tempo de morte, de alma, de oportunidades perdidas. E ainda há cenas que podem assustar as crianças menores. É, sem sombra de dúvida, o filme mais adulto do estúdio.

A história de Soul

Esse conceito já começa com o personagem principal. Joe, que tem a voz de Jamie Foxx, é um professor de música frustrado, que tem uma grande oportunidade para seguir a carreira de músico. Um belo dia, ele finalmente consegue sua grande chance. Ele é contratado para fazer um show com a famosa saxofonista, a  exigente Dorothea Williams (Angela Bassett).  Só que então…. ele cai em um buraco e parte para um novo mundo… o mundo das almas. Esse local, o Pré-Vida, é onde as almas chegam para serem designadas para as pessoas que estão para nascer. Só que por uma série de mal-entendidos, a alma  de Joe acaba se juntando a de 22, que não quer ir para a Terra. Enquanto isso, Joe está determinado a tudo para retornar e conseguir finalmente a sua grande chance como músico.

A crítica

A animação propõe várias discussões sobre o sentido da vida, a busca dos sonhos, a fraternidade. Com isso alcança uma profundidade e uma emoção que, apesar de comuns nos filmes da Pixar, nunca foram tão complexas como aqui. Mas é claro que não é só isso. 22 é o alívio cômico, numa referência à lembrança do pai de Nemo e Dory. Há momentos extremamente divertidos com as experiências de 22 na Terra. Mas cada um deles terá um significado especial, até comer um pedaço de pizza.

A trilha sonora, cheia de jazz – premiada pelos Críticos de Nova York – dá um charme todo especial. As vozes originais, com Jamie Foxx, Tina Fey e Rachel House (incrível como Terry) são deliciosas. O colorido da Terra em contraste com o Pré-Vida são lindos de ver. No final, Soul pode não ser aquilo que você espera, mas é lindo e emocionante.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *