fbpx

Série O internato: Las Cumbres tem bons momentos de mistério

Sempre digo que acho que, lá dentro, nunca saí da adolescência. Rsrsrs! Isso porque continuo amando histórias que se passam no ensino médio. Em séries, é o caso de Glee, Elite, Alex Rider e outras tantas. É também o caso de O Internato:Las Cumbres. A primeira temporada está disponível na Amazon Prime Vídeo. Vale conhecer!

 

O Internato: Las Cumbres acompanha os alunos de um colégio situado em um antigo monastério. Ele é perdido no coração das montanhas. Completamente isolado do mundo exterior. Tipo um Hogwarts do mal.  Lá estudam jovens que são considerados rebeldes e problemáticos. Por isso, são submetidos a uma disciplina rígida para que possam se reintegrar à sociedade. Mas os corredores do local, e a floresta que o circunda, abrigam lendas antigas. Isso sem contar as histórias aterrorizantes. Para desvendar o passado de Las Cumbres, um grupo de adolescentes decide seguir uma série de pistas. E acaba se deparando com grandes conspirações que podem colocar suas vidas em risco.

A crítica

O Internato foi uma série espanhola, que teve cinco temporadas. Durou de 2007 a 2010,. Tinha Ana de Armas num dos papéis principais. Foi por causa dela que a atriz foi descoberta, e se tornou estrela de Hollywood. Com o sucesso de Elite, os produtores resolveram resgatar a história e fazer um reboot. Não vi a primeira, que não está disponível em streaming. Mas me interessei pelo clima de mistério de Las Cumbres.

São 8 episódios. Eles misturam os problemas de adolescentes, e de alguns professores, com a história de suspense do local. Uma das professoras é Mina El Hammani, que é Nadia em Elite. Em Las Cumbres , a atriz passa de aluna para professora . Sua personagem acaba sendo a mais humana entre todos da instituição. Sua história ao lado do padre Elías (Alberto Amarilla) é bem interessante. Já no primeiro episódio, a série já apresenta algumas cenas fortes e assustadoras. A trama com tema adolescente com triângulos amorosos e personagens empáticos funciona. E os elementos de terror  tem um bom desenvolvimento. Algumas cenas de assassinatos são bem chocantes. E os “castigos” incluem masmorras e raspagem de cabelo. Mas tudo é muito bem fotografado. Funciona bem para criar um clima de mistério.

Todos os episódios terminam num cliffhanger. Isso dá mais vontade de acompanhar. Entretanto, há os contras. A maioria do elenco é mega exagerado. Especialmente a atriz principal, Asia Ortega (Amaia). Muitos gritos, descabelamentos, especialmente entre os intérpretes dos alunos. Tudo soa um tanto falso. O melhor deles acaba sendo Albert Salazar, como Paul. Só que a primeira temporada da série termina sem dar muitas respostas. Já deixa a segunda engatilhada, que deve estrear só em 2022.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *