fbpx

O barulho penetrante de O Som do Silêncio

Há vários filmes que falam sobre a jornada após uma situação que muda completamente a vida de uma pessoa e daqueles que a cercam. Lembro especialmente do recente O que Te Faz mais Forte, com Jake Gyllenhaal (disponível no Telecine). Mas, é claro, há também A Teoria de TudoComo eu Era antes de Você, Nascido em 4 de Julho e até Filadélfia. Ontem, assisti O Som do Silêncio, que está disponível na Amazon Prime Video, e que segue o mesmo caminho.

Tudo começa com um jovem baterista, Reuben. Ele começa a perceber que está rapidamente ficando surdo. Isso começa a desesperá-lo, já que duas paixões estão em jogo. Uma é sua carreira de músico. A outra é sua vida com sua namorada (Olivia Cooke, de Jogador Número 1), que canta junto com ele. Essa  situação vai gerar uma mudança drástica. Ele vai para um local onde irá aprender a lidar com sua nova vida. E isso acarretará muita tensão e angústia na vida do baterista, atormentado lentamente pelo silêncio.

Riz Ahmed

Fui ver o filme com o objetivo de ver a atuação de Riz Ahmed no papel principal. Ele vem sendo apontado pela crítica americana com um forte concorrente para a Temporada de Premiações. Ahmed é um queridinho da mídia, foi votado inclusive como uma das pessoas mais influentes pela revista Time. É um ator sempre interessante, que funciona melhor dependendo do papel. Aqui ele tem uma de suas melhores atuações. Não está entre meus Top 10, mas mesmo assim é uma grande performance.

A crítica

O Som do Silêncio é baseada numa história real. O baterista Derek Cianfrance começou um docu filme chamado Metalhead, que falava sobre como ele explodiu seu tímpano, e teve que se adaptar a um mundo de silêncio. Só que nunca o terminou. Já no filme dirigido com competência pelo estreante Darius Marder, ao contrário de outros do gênero, a coisa nunca vai para o lado do melodrama, o que é um diferencial. Ele lida com a situação de Reuben, de um jeito sutil, que mistura negação e medo.

Além disso, a mudança no personagem começa a ocorrer quando ele vai para o centro de reabilitação que é dirigida por Joe (Paul Raci). O ator é filho de surdos e tem uma atuação comovente, que já ganhou o prêmio de coadjuvante das associações de críticos de Hollywood, Boston, e Florida. É um forte concorrente para a Temporada de Premiações.  Durante o tempo de Reben no centro, ele começa a se conectar com um mundo diferente do seu, que vai propiciar algumas mudanças nele. Inclusive a convivência com crianças. Os fãs de The Walking Dead vão reconhecer a professora. É Lauren Ridloff, a Connie, que também está no elenco de Eternos , da Marvel.

O som

Mas o que realmente me chamou mais a atenção em O Som do Silêncio foi o da edição de som. A gente geralmente nem presta muita atenção nessas coisas. Só que aqui, ela é parte muito presente da história. Em vários momentos, acompanhamos o som da maneira que Reuben sente. É fácil sentir sua ansiedade e decepção. É um dos pontos altos do filme. A Voz do Silêncio seria um filme perfeito para ver no cinema, sem as distrações normais de quando você vê um filme no streaming. Por isso, #ficaadica. Tente ver na sala escura, sem checar as mensagens no celular. Poderá aproveitar muito mais essa história.

 

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *