fbpx
Conecte com a gente

Olá, o que você está procurando?

Cinema

A Última Carta de Amor da Netflix é um romance para emocionar

Há uma coisa que sempre me emociona quando vejo filmes românticos. É o “e se…”. Ou seja, caminhos que poderiam ter sido seguidos e não foram. E, com isso, a vida muda completamente. Esse é um dos pontos de A Última Carta de Amor, que estreou esse fim de semana na Netflix. É baseado no livro de Jojo Moyes, a mesma de Como eu Era Antes de Você.  A Última Carta de Amor não é triste como esse último, mas funciona como um belo romance, com um toque de melodrama. Daqueles que faz tempo que você não vê no cinema ou no streaming.

O filme se passa em duas épocas. A primeira, em 1965, uma mulher casada, rica e infeliz, se apaixona por um jornalista. Os dois trocam várias cartas de amor. A segunda se passa nos dias atuais. Uma jornalista encontra uma das cartas que o casal de 1965 trocou. E fica comovida com a história que lê. Parte então para uma pesquisa para encontrar outras cartas e descobrir o que aconteceu com aqueles dois do passado. Para isso, ela conta com a ajuda de um arquivista do jornal onde trabalha.

https://www.youtube.com/watch?v=AfwAAH0sQEQ&t=62s

A crítica

Eu adoro um bom melodrama. Daqueles que tiveram seu ápice nos anos 50, tipo Imitação da Vida ou Palavras ao Vento. Entre produções mais recentes, me lembro de Diário de uma Paixão. A Última Carta de Amor tem todos os ingredientes do gênero. Gente muito bem vestida e maquiada (Shailene Woodley está linda). E ainda uma história com vários clichês como perda de memória, encontro em estação de trem, amor impossível. E, claro, cartas de amor que podem cair nas mãos erradas. Eu adoro filmes sobre cartas de amor (veja a lista aqui.)

Tudo isso é feito com carinho pela diretora Augustine Frizzell (ela também dirigiu o piloto de Euphoria). Especialmente ao som de uma interessante trilha sonora. A primeira parte, que se passa nos anos 60, é perfeita. Shailene, Callum Turner e Joe Alwyn convencem como o triângulo amoroso. Você fica querendo saber mais sobre eles. Já a segunda parte, com Felicity Jones, não funciona tão bem. Há uma falta de química entre ela e Nabhaan Rizwan. E a história também tem alguns pequenos buracos. Mas tudo isso é perdoável. O final – #sem spoilers – é um dos mais lindos que vi nos últimos tempos. Especialmente para que sempre se emociona com o “e se…”.

Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você também pode gostar de ler

Cinema

Pronto para as dicas da semana? O lançamento mais badalado da semana é de cinema. Finalmente chegou a esperada adaptação de Duna. Já houve...

Streaming

Tenho um certo preconceito com histórias onde mulheres de quase 30 anos ainda continuam se desesperando por causa de fins de relacionamentos. Isso pode...

Streaming

Faz tempo que ouço falar sobre Abe. O filme, dirigido por Fernando Grostein , se passa em Nova York. E tem Noah Schnapp ,...

Streaming

Quando você fala em filmes sobre professores, alguns logo vêm à mente. É o caso de Robin Williams em Sociedade dos Poetas Mortos. Ou...

Streaming

Hoje (15) tem o lançamento da terceira temporada de Você. É interessante ver que a série hoje é esse enorme sucesso na Netflix. Tanto...

Streaming

Quem me conhece, sabe que acho Jeffrey Dean Morgan o máximo! É um dos meus Top 3. Eu o conheci – como muita gente...

Streaming

Selena Gomez virou trending topics essa semana pelo rumor que estaria namorando Chris Evans. Os fãs só falavam nisso. Seria bom vê-la feliz depois...

Streaming

Você era fã de Fez, Kelso e Jackie? Para quem assistia That 70’s Show, esses nomes são mais do que conhecidos. A série, e...