fbpx
Conecte com a gente

Olá, o que você está procurando?

Cinema

A gruta é um terror! Mas pouco assusta!

O cinema brasileiro não tem grande tradição de filmes de terror. Sim , claro, há os filmes de Zé do Caixão,  que tiveram um grande impacto quando foram lançados. Mas são extremamente difíceis de assistir nos dias de hoje. Infelizmente, envelheceram. Nos últimos tempos, entretanto, há vários diretores que vem tentando embarcar nesse nicho, com diferentes resultados. Há alguns que são bem eficientes, como Denninson Ramalho, com Morto não Fala. Já há outros  filmes bem fracos, como O Juízo, de Andrucha Waddington. De qualquer maneira, como fã do gênero, fiquei curiosa de conhecer um outro lançamento, A Gruta, que está disponível na Amazon Prime Vídeo.

O trailer e a sinopse são interessantes. Um rapaz chamado Jesus é o único sobrevivente de um incidente numa gruta. A perícia aponta que ele assassinou os colegas. Só que, além de negar,  se recusa a ajudar a polícia, dizendo que só falará com alguém da igreja. Uma freira  de nome Helena (Carolina Ferraz) resolve ajudar, só que uma maldição promete acompanhar todos os envolvidos nessa história.

O roteiro acompanha dois momentos paralelamente. O passado, quando o grupo está na gruta. E a situação da freira, que toma conhecimento da situação e começa a ser assombrada também. Logo de início, também há uma perseguição de uma jovem por escravos, que não é muito bem explicada. Enquanto Helena enfrenta suas novas visões, também ficamos sabendo o que aconteceu na gruta, com os dois casais, além da guia.

A crítica

O filme tem dois ou três momentos de susto. Daqueles fáceis, que a gente está acostumada a ver no cinema americano. Mas de resto, é bem “vergonha alheia”, rsrs. Para se ter uma ideia, a freira toma banho de banheira de camisola. Rsrsrs! Em outra cena, a guia é tomada por um espírito, fica sem roupa e assustadora. Mas, de repente, volta ao normal. Até o cabelo desgrenhado volta a ficar liso. Foi uma visão ou foi real? Boa pergunta! Rsrs!

O ator que faz o personagem principal, Jesus, é Arthur Vinciprova, que também é o diretor e roteirista. Exagerado ao extremo como ator, também tem que aprender as leis básicas da direção de cinema. Isso inclui dar importância à iluminação e ao som. Há momentos que é impossível enxergar alguma coisa no gruta, ou ainda entender o que os atores estão falando. E, é claro, ao roteiro. Arthur, é preciso um mínimo de linearidade para que a coisa não fique sem pé nem cabeça, tá?

Entretanto, há belíssimas locações. A igreja onde Helena fica boa parte do tempo, por exemplo, é maravilhosa. A atriz que faz Ana, Nayara Justino, também é boa. Mas nem Carolina Ferraz está bem. Parece que está sempre ausente. E vamos combinar, a cena da banheira foi de lascar…

 

Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você também pode gostar de ler

Streaming

Faz tempo que ouço falar sobre Abe. O filme, dirigido por Fernando Grostein , se passa em Nova York. E tem Noah Schnapp ,...

Cinema

A produção de O Último Duelo, que estreou nessa semana nos cinemas, é maravilhosa. Isso sempre é um destaque na filmografia de Ridley Scott....

Cinema

Em 2018, o filme Halloween deu um “refresh” na franquia de mais de 40 anos. Quebrou vários recordes, e fez muito dinheiro. Já deixou...

Cinema

Ridley Scott é quase sempre referência quando se fala em um espetáculo grandioso. Já foi indicado quatro vezes ao Oscar, uma delas por Gladiador....

Cinema

O feriado de Nossa Senhora de Aparecida me parece um bom dia para escrever a crítica do filme de Nossa Senhora de Fátima. Fátima:...

Streaming

Quem me conhece, sabe que acho Jeffrey Dean Morgan o máximo! É um dos meus Top 3. Eu o conheci – como muita gente...

Cinema

Lembro que quando Venom  estreou em 2018, todo mundo esperava pelo pior. Mas o filme tinha um bom ritmo, e ainda os diálogos divertidos...

Streaming

Comédia romântica é um de meus gêneros preferidos. Sempre busco alguma perdida no streaming. E, por várias vezes, passei por Te quiero, Imbecil na...