fbpx
Conecte com a gente

Olá, o que você está procurando?

Cinema

Os prós e os contras do novo filme do Pantera Negra

A morte inesperada de Chadwick Boseman deixou a Marvel com um grande problema nas mãos . O que fazer com a franquia de Pantera Negra, sem seu ator principal? E pior, que se foi de uma forma que emocionou a todos. O diretor e roteirista Ryan Coogler já disse em entrevistas que teve que mudar completamente o que imaginava para o filme.  E o que ele resolveu está chegando aos cinemas nesta quinta em Pantera Negra: Wakanda para Sempre. O filme tem bons momentos, mas em geral, enrola bastante.

O filme começa com a morte de T-Challa. E já de início, já aviso que você vai chorar. Só que depois desse prólogo, esse novo Pantera Negra já começa a demonstrar que tem problemas. Rainha Ramonda (Angela Bassett), Shuri (Letitia Wright), M’Baku (Winston Duke), Okoye (Danai Gurira) e as Dora Milage lutam para proteger a nação fragilizada de outros países após a morte de seu rei. O povo de Wakanda se esforça para continuar em frente neste novo capítulo, a família e amigos do falecido rei precisam se unir. Tudo com a ajuda de Nakia (Lupita Nyong’o), e Everett Ross (Martin Freeman). Em meio a isso tudo, Wakanda ainda terá que aprender a conviver com a nação debaixo d’água, Atlantis, e seu rei Namor (Tenoch Huerta). E é daí que surge a maior a maior ameaça.

O que achei do filme?

O novo filme do Pantera Negra tem um excelente início, já mostrando a morte de T-Challa por uma doença misteriosa. É impossível não se emocionar. Até aquela abertura da Marvel com o logo mostra somente cenas dele, como uma grande homenagem. Esse é o prólogo. A partir daí, o filme começa a história completamente sem pé nem cabeça, que vai colocar o reino de Wakanda em perigo devida a ameaça dos seres submarinos de Talokan. Quem acompanha os quadrinhos vai notar a mudança. Lá Namor era o príncipe de Atlantis, mas no filme o reino mudou completamente. Não só para introduzir uma temática latina, na verdade maia, mas também para diferenciar da Atlantis de Aquaman. Afinal, é do estúdio vizinho, rs.

Só que é tudo enrolado e devagar. Há uma sequência onde Shuri conhece o reino, que parece que ela está fazendo um tour por dentro de alguma atração dos parques da Disney. E que ainda é longuíssima. Além do mais, o povo azulado do local parece reutilizado de Avatar, rs. Só que o que realmente incomoda em suas 2h40 de duração é uma história extremamente repetitiva. As sequências de ação parecem ser sempre as mesmas (a batalha final é surreal de tão improvável). E Shuri passa a ser a personagem principal, e não tem nada da empatia com o público que demostrou ter no primeiro filme.

O elenco

Há também vários personagens que são totalmente dispensáveis. É o caso de Martin Freeman (Everett Ross) e Julia Louis-Dreyfuss (Val). Desperdiçados como coadjuvantes de luxo.  O filme também apresenta uma outra personagem conhecida dos quadrinhos, Riri Williams, ou Ironheart. Esta ganhará em breve sua própria série no Disney Plus. É ok, mas nada mais que isso. O mesmo ocorre com Tenoch Huerta, o Namor. Falta carisma para este vilão! E isso é mais um problema para o filme.

Entretanto, além do início, Pantera Negra: Wakanda para sempre tem outras coisas positivas. A maior delas é Angela Bassett. Estou para ver alguém que passe tanta realeza e força como a atriz. Danai Gurira  e Lupita Nyong’o também estão ótimas, como sempre.  Aliás, o filme mostra as mulheres tomando conta da situação –  e isso é sempre uma coisa positiva, especialmente nesse universo de super-heróis.

E ainda…

E claro há também uma participação muito especial – #semspoiler. Eu tenho certeza que muita gente vai embarcar na história. Ainda mais porque o filme termina com um tom emocionante, assim como começou. E isso continua na cena do meio dos créditos (só há uma). Com isso, a audiência acaba até saindo com uma sensação positiva do cinema. Mesmo que tenha sido enrolado por duas horas. Ah, e fica o aviso, Pantera Negra vai voltar…

 

Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Últimas Notícias

Streaming

Semana passada, eu tirei uma noite para ver dois filmes no MAX que tinham duas atrizes que eu gosto. O primeiro é Am I...

Streaming

A primeira temporada de Feud – disponível no Star Plus – foi sensacional. A história da relação entre as estrelas Bette Davis e Joan...

Streaming

Nessa quinta, o mundo perdeu Donald Sutherland. Era um grande vilão (ficou famoso para toda uma nova geração com Jogos Vorazes. Mas sabia ser...

Streaming

O inverno está começando, mas na maioria do país nem parece. Então, se você , como eu, também sente falta do frio, e não...

Cinema

Eu sei que a maioria adora Divertidamente, animação da Pixar  que ganhou o Oscar de melhor animação em 2015. Eu gosto, mas não amo....

Você também pode gostar de ler

Streaming

Quando The Walking Dead terminou após 11 temporadas, deixou várias situações em suspense. Era já uma estratégia dos produtores para levar para o público vários...

Moda

O red carpet do Oscar teve um claro predomínio da cor preta nos vestidos. Muita gente resolveu ir pelo caminho mais certo da elegância....

Streaming

Lupita Nyong’o nasceu no Quênia,  e logo em seu primeiro filme, Doze Anos de Escravidão, ganhou todos os prêmios, inclusive o Oscar de coadjuvante....

Gossip

Antigamente, as estrelas de Hollywood queriam esconder tudo que faziam  em suas vidas pessoais. Hoje em dia, com as redes sociais, quanto mais escândalos...

Streaming

O cinema e a TV já mostraram diversas histórias emocionantes e poderosas sobre professores, boa parte delas baseadas em fatos. É um pena que...

Moda

Houve um momento no red carpet do Oscar que pensei que estávamos em 31 de dezembro. Isso porque parecia que todo mundo havia tido...

Premiações

Já faz tempo que eu e o Oscar não concordamos em muita coisa, rsrs. E esse ano, percebi que a coisa ia ser bem...

Premiações

Esse ano o Oscar tem algumas certezas. O melhor filme, direção e ator coadjuvante com certeza irão para Tudo em Todo Lugar ao Mesmo...