fbpx
Conecte com a gente

Olá, o que você está procurando?

Cinema

O romance de Caminhos da Memória chega ao cinema

Boa parte da crítica norte-americana “acabou” com Caminhos da Memória, que estreia hoje nos cinemas. Eu discordo. Claro, o filme tem problemas, especialmente de edição, já que tem quase duas horas de duração. Mas eu adorei o clima da história, a homenagem ao gênero “film noir”. E claro, o elenco. Escrito e dirigido por Lisa Joy, criadora de Westworld, o filme me envolveu do início ao fim.

Tudo se passa em Miami, num futuro distópico. As água subiram, e parte da cidade está submersa. Os ricos vivem nas áreas secas. Já o resto da população vive em locais perigosos, onde a água pode subir a qualquer momento. Nesse cenário, Nick Bannister é um investigador particular da mente. Ele tem um negócion, onde ajuda seus clientes a acessar memórias perdidas. Só que sua vida muda para sempre quando ele aceita uma nova cliente, Mae. Uma questão simples de achados e perdidos se torna uma perigosa obsessão. Só que um dia, Mae desaparece. E Nick vai fazer de tudo para descobrir a verdade sobre o que houve com ela. É quando ele descobre uma conspiração violenta.

Antes de você assistir Caminhos da Memória, é bom avisar uma coisa. O filme foi “marketeado” como uma ficção-científica de ação. Na verdade, ele é um grande romance, que usa a ficção científica – a volta ao passado – para se desenvolver. Como já disse, ele tem todas as características de um film noir. Um investigador desencantado com a vida, que se envolve com uma mulher misteriosa. A partir dessa ligação, ele terá que enfrentar grandes vilões, e solucionar um crime. Tudo isso existe em Caminhos da Memória, só que com uma nova roupagem.

Ou seja, a ideia é ótima, uma pena é que o filme enrola muito. Por exemplo, quase no final do filme há uma luta numa área destruída que é longuíssima. E o pior, tira o foco da história, sem adicionar nada. Ou seja, atrapalha. Mas, na verdade, como história, pelo menos no meu ponto de vista, o filme funciona. Isso, em parte, se deve muito ao carisma da dupla central. Hugh Jackman é sempre ótimo – e está em plena forma! Já Rebecca Fergunson, está linda, maravilhosa, e misteriosa como deveria.

Os dois, como a gente já viu em O Rei do Show, tem grande química. Principalmente Hugh convence muito, como o homem completamente enlouquecido de paixão. E o filme ainda tem Thadiwe Newton, que já tinha trabalhado com a diretora em Westworld. Ela está ótima como a parceira de trabalho de Nick. Aliás, o filme ainda tem outra atriz de Westworld, Angela Sarafyan, que faz um papel pequeno, mas marcante.

Ou seja, Caminhos da Memória não é um filme perfeito. Longe disso! Mas tem clima, sedução, romance, história e atores incríveis. É bem mais do que a maioria dos filmes que tenho visto tanto no cinema como no streaming.

Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você também pode gostar de ler

Cinema

Deserto Particular, o candidato do Brasil, ficou de fora do pré- finalistas ao Oscar de filme estrangeiro. Mas O Homem Ideal, representante da Alemanha,...

Cinema

Normalmente a gente espera que filmes de Natal sejam fofinhos e bobinhos, como Um Castelo para o Natal da Netflix, que assisti ontem. Tem...

Streaming

Muito bom voltar a fazer o vídeo da semana depois da viagem. Perdi alguns filmes como King Richard, mas deu tempo de chegar para...

Cinema

Mesmo com seu 69 anos, Liam Neeson não para de trabalhar. Ele já anunciou que não quer fazer mais filmes de ação, porque realmente...

Cinema

Já faz muito tempo que o Brasil tenta, tenta, e não chega lá entre os finalistas do Oscar. A última vez foi no século...

Cinema

Wes Anderson tem um estilo todo especial. Tem pelo menos uma grande obra-prima, Ilha dos Cachorros (disponível no Star Plus) . Também tem outros...

Cinema

Tenho uma certa dificuldade de lidar com gente que fala demais. Daquele tipo que adora ouvir sua própria voz, sabe como é? Então para...

Cinema

Lembro bem quando estreou na Broadway Querido Evan Hansen. Foi um grande sucesso. Seu protagonista, na época o quase desconhecido Ben Platt, ganhou o...