fbpx
Conecte com a gente

Olá, o que você está procurando?

Cinema

O Escândalo e suas estrelas imperdíveis

Quando você tem um filme com Charlize Theron, Nicole Kidman, Margot Robbie e ainda John Lithgow de contrapeso, não pode ser menos do que ótimo, certo? Esse é o caso de O Escândalo, que estreia essa semana nos cinemas. Já sai com suas três indicações para Oscar: atriz para Charlize, atriz coadjuvante para Margot, e ainda cabelo e maquiagem, que vem ganhando tudo nessa temporada de premiações. Na minha opinião, deveria ter tido outras indicações mais, como melhor filme, por exemplo. Sim, O Escândalo está nesse nível. E mais, se você é mulher e trabalhou no mercado corporativo, tem que ver mesmo.

Pode ser que você não tenha ouvido falar do escândalo de assédio que derrubou o todo poderoso chefão da Fox News, Roger Ailes. Há alguns anos, ele foi afastado da direção da empresa por causa de assédio sexual a várias das funcionárias da rede de TV. O filme conta o lado feminino da história. Principalmente o das estrelas da rede, as jornalista Megyn Kelly (Charlize) e Gretchen Carlson (Nicole). Isso além da personagem fictícia, Kayla Pospisil (Margot), que seria uma mistura de várias outras mulheres desconhecidas que também levantaram sua voz contra Roger Ailes (feito por John Lithgow).

A crítica

Situando a época em que tudo isso aconteceu, foi pouco mais de um ano antes do escândalo de Harvey Weinstein e o início do #MeToo. Ou seja, era uma época mais difícil de falar do que nos dias de hoje (não que haja tanta diferença assim). E o filme começa  com Megyn convidando a plateia a conhecer o local de trabalho. É quando é derrubada a quarta parede e o diretor Jay Roach começa com uma montanha-russa de situações. Ele ficou como diretor de comédias, mas recentemente fez dois filmes ótimos (com um quê de política), que eu adoro: Até o Fim, e Trumbo, ambos com Bryan Cranston. Aqui  em O Escândalo, ele também política com uma certa ironia, que pode até passar por comédia. E que funciona.

O elenco de O Escândalo

É claro que o filme funciona principalmente por causa de suas atrizes. Charlize principalmente. Muito mais do que simplesmente a máscara de maquiagem, que usa para ficara mais parecida com Megyn Kelly. É na postura, na forma de falar, naquela expressão corporal de quem está pronta a explodir a qualquer momento (repare em suas mãos). É mais uma atuação maravilhosa da atriz. Margot, tem uma cena muito boa (onde ela tem que levantar o vestido), que provavelmente foi a que lhe garantiu a indicação ao Oscar. Já Nicole, apesar de ser a personagem que começou tudo, é a que menos impressiona, sem que isso queira dizer que não está ótima.

Charlize, Megyn Kelly, Nicole e Gretchen Carlson

Pelo tema, pela história, você vai poder ver várias atrizes poderosas fazendo pequenas participações especiais para ainda  dar mais valor ao que está sendo abordado no filme. Kate Mc Kinnon, como a produtora lésbica e democrata, e Connie Britton, como a esposa de Roger Ailes, têm papéis um pouco maiores, assim como Allison Janney como a advogada dele.  Mas há outras que podem ser vistas em apenas um ou outra cena. É o caso de Alice Eve, Elizabeth Rohm (Angel), Ashley Greene (Saga Crepúsculo), Brooke Smith (Inacreditável), Amy Landecker (Transparent), Nazanin Boniadi (Ataque ao Hotel Taj Mahal), Tricia Helfer (Lucifer) e até Jennifer Morrison. Isso sem contar a veterana Holland Taylor (Dois Homens e Meio), como a secretária de Roger Ailes, que nem foi creditada.

Jennifer Morrison e a verdadeira Juliet Huddy

E hoje em dia…

Tudo isso dá ainda mais força para essa história, de mulheres que mesmo nos anos 2000, por incrível que pareça , tiveram que luta pelo seu direito de usar calças. É claro que para quem assiste a Fox News hoje em dia é fácil perceber que pouco mudou da época de Roger Ailes. As mesmas louras, as mesmas piadinhas idiotas, as mesmas saias. Mas, quem sabe, com o filme a coisa possa mudar um pouco.

The Loudest Voice

Como curiosidade, esse mesmo fato também foi tema de uma minissérie do canal Showtime, chamado The Loudest Voice (não disponível no Brasil), que mostrava mais o ângulo da  história de Roger Ailes. Ele é vivido por Russell Crowe (que ganhou o Globo de Ouro 2020),  e o elenco ainda conta com Sienna Miller, como a esposa de Roger, e Naomi Watts como Gretchen Carlson.

 

 

 

 

Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você também pode gostar de ler

Cinema

A produção de O Último Duelo, que estreou nessa semana nos cinemas, é maravilhosa. Isso sempre é um destaque na filmografia de Ridley Scott....

Cinema

Em 2018, o filme Halloween deu um “refresh” na franquia de mais de 40 anos. Quebrou vários recordes, e fez muito dinheiro. Já deixou...

Cinema

Ridley Scott é quase sempre referência quando se fala em um espetáculo grandioso. Já foi indicado quatro vezes ao Oscar, uma delas por Gladiador....

Cinema

O feriado de Nossa Senhora de Aparecida me parece um bom dia para escrever a crítica do filme de Nossa Senhora de Fátima. Fátima:...

Cinema

O final de semana está chegando e o grande acontecimento é a estreia de Venom: Tempo de Carnificina no cinemas. Ele é o destaque...

Cinema

Lembro que quando Venom  estreou em 2018, todo mundo esperava pelo pior. Mas o filme tinha um bom ritmo, e ainda os diálogos divertidos...

Streaming

Comédia romântica é um de meus gêneros preferidos. Sempre busco alguma perdida no streaming. E, por várias vezes, passei por Te quiero, Imbecil na...

Cinema

Eu gosto dos filmes de James Bond da fase de Daniel Craig. Menos Spectre, que é bem fraco, especialmente no que diz respeito à...