fbpx

Filme com Daniel Radcliffe sobre gamers chega aos cinemas

 data-srcset

Um dos grandes problemas da volta dos cinemas na pandemia são os poucos títulos inéditos disponíveis. Mas, essa semana, tem um novo, estrelado por Daniel Radcliffe, vulgo Harry Potter, chegando nas praças onde os cinemas estão abertos. O título é Armas em Jogo, e é um filme de ação. Na verdade, é uma sátira ao mundo de espetáculo que se tornou esse tempo de internet que vivemos, repleto de jogos e cultura da celebridade. Entretanto se você não é um gamer, como é o meu caso, vai ser difícil de aguentar o ritmo de Armas em Jogo.

Miles (Daniel Radcliffe) é um cara normal e solitário que sofre bullying de seu chefe no trabalho. Numa noite, para extravasar suas frustrações, ele entra no site SKIZN. Este apresenta uma batalha entre duas pessoas em que a derrota significa a morte, e começa a disparar ofensas contra os criadores da competição. Ele não imaginaria as consequências dessa atitude na sua vida. Isso porque uns caras que parecem saídos do filme de Mad Max, invadem sua casa . Eles colam armas em suas mãos e fazem com que Miles se torne parte de jogo, com o objetivo de derrotar a toda poderosa Nix (Samara Weaving).

A crítica

A linguagem é completamente de vídeo game. O centro da história é como Miles, que adora games violentos, vai se comportar vivendo as situações de perigo no mundo real. A fotografia é “suja”, com momentos extremamente nojentos (o pior é o da salsicha!). Tem elementos kitsch, e um certo toque psicodélico. O resto de Armas em Jogo é só correria e violência. Uma caçada sem fim, com toques de desenho animado, cheia de elementos gráficos e uma trilha sonora repleta de rock pesado e música techno. Isso tudo poderia ser interessante se o filme não fosse uma enganação. Ao mesmo tempo em que pretende satirizar um determinado comportamento, embarca nessa onda sem a menor vergonha com toda a violência possível.

 

Armas em Jogo foi exibido no Festival de Toronto e ainda em outros de cinema undergroud e/ou fantástico. Obviamente aqueles que escolheram são fãs da linguagem de vídeo game. Nada contra, é preciso deixar claro. Mas cinema é mais que isso.  De qualquer maneira, é provável que os gamers que resolverem deixar seus jogos de lado para ir ao cinema, possam gostar. E claro, tem Daniel Radcliffe, que é um ótimo ator, e se entrega totalmente ao papel.

 

 

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *