fbpx

Dia de dizer adeus a Burt Reynolds!

 data-srcset

Tem alguns atores que fazem parte de nossa infância, de nossa vida. Parece que eles ficarão por aí para sempre. Então quando é anunciada a sua morte, é um choque profundo. Esse foi o caso de Burt Reynolds, que faleceu hoje (6), aos 82 anos. Quando eu era menina, Burt era o grande astro do cinema. Foi por cinco anos seguidos, o ator que mais rendeu nas bilheterias  de cinema. Ele era um sex symbol diferente. Posou nu para a Cosmopolitan numa época em que isso seria impensável, fez várias comédias divertidas, e tinha sempre uma piscada de olho meio sacana em qualquer momento. Mais tarde, conseguiu ainda um Globo de Ouro  e uma indicação ao Oscar de coadjuvante por Boogie Nights, em 1997 (perdeu para Robin Williams em Gênio Indomável).

Cheguei a ficar perto de Burt uma vez, quando ele veio ao Brasil para a inauguração da primeira loja da Blockbuster do país. Ele sorria para todos. Foi um daqueles momentos inesquecíveis , que me fez sentir uma garotinha novamente.  Burt poderia ter tido uma carreira muito diferente, se não tivesse recusado vários papéis importantes. Esse foi o caso de Laços de Ternura (Jack Nicholson acabou ganhando um Oscar), Star Wars (Harrison Ford agradece a ele todos os dias até hoje) e Duro de Matar (idem, Bruce Willis). Segundo ele disse em sua biografia, sua prioridade sempre foi aproveitar a vida, e por isso acabou não tendo a carreira ideal.

Desde o início de sua carreira em várias participações em diversas séries dos anos 60, ele conseguiu um papel de destaque no grande sucesso Gunsmoke. Com o primeiro filme que estrelou, Sam Whiskey, o Proscrito (1969), ele seguiu para uma nova série, Dan August, e o enorme sucesso, Deliverance/ Amargo Pesadelo (1972).

Ele adorava as mulheres, e atuou ao lado de várias das maiores da história. Liza Minelli (Os Aventureiros do Lucky Lady, 72), Goldie Hawn (Amigos Muito Íntimos, 82), Catherine Deneuve (Crime e Paixão, 75), Julie Andrews e Kim Basinger (Meus Problemas com as Mulheres, 83), e, é claro, Sally Field, com quem fez quatro filmes e quem ele diz que foi o maior amor de sua vida.

Há muito o que falar sobre a carreira de Burt, de como ele era um bom ator, e na maioria das vezes desprezado pelos críticos.Mas resolvi escolher  para colocar aqui os 5 momentos que mais me marcaram naquela época de menina. É essa a lembrança que fica para mim.

  • Agarre-me se Puderes (1977)

O filme foi a segunda maior bilheteria do ano, logo atrás de Guerra nas Estrelas. Burt é Bandit,  que é contratado para levar um caminhão de cerveja pelas fronteiras do estado, enquanto é perseguido por um determinado xerife. Sally Field faz a garota que pega uma carona com ele. É clara a química entre os dois nessa grande diversão sem compromisso.

  • Amigos muito Íntimos (1982)

Quando um casal que sempre trabalhou junto resolve se casar, os problemas começam a aparecer. Esse filme foi uma tentativa de Burt e Goldie de fazerem um trabalho com toques dramáticos. A canção principal, How do You Keep the Music Playing foi indicada ao Oscar e é uma de minhas favoritas da vida.

  • A Melhor Casa Suspeita do Texas (1982)

Baseado no musical de sucesso da Broadway, o filme conta a história da dona de uma “casa suspeita” que, junto com o xerife local, tenta manter a casa funcionando, mesmo depois de um repórter chamá-la de lugar do demônio. Reconhece a música abaixo ? Sim, é de autoria de Dolly Parton.

  • Caçada em Atlanta (1981)

O autor do livro no qual Caçada em Atlanta é baseado disse que sempre teve Burt Reynolds em mente quando estava escrevendo a história.  O filme tem inspirações em dois dos filmes favoritos de Burt, Laura e Janela Indicreta, e traz Burt com herói de ação. Nele, Sharky (Burt) e seus parceiros investigam a morte de um grandão da máfia, com ligações com a prostituição e o governo. A mocinha da história era Rachel Ward.

  • Quem não Corre, Voa (1981)

Com esse filme, Burt se tornou o ator mais bem pago da época, ao receber 5 milhões por um mês de trabalho (rsrs, compare com os salários de hoje…). Ele é um dos excêntricos pilotos de uma corrida ilegal através do país. E, bem no estilo corrida maluca, todos vão usar vários truques para chegar em primeiro. No elenco estavam Roger Moore, Jackie Chan (em seu primeiro filme americano), Dean Martin, Sammy Davis Jr. e Farrah Fawcett, entre outros. O filme teve uma sequência, também com Burt, que se chamou Um Rally muito Louco (1984)

 

Todas as fotos são de divulgação.

 

 style
 style

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *