fbpx

Oferenda à Tempestade fecha a Trilogia de Baztan da Netflix

A Netflix têm entre seus grandes sucessos duas produções espanholas, O Guardião Invisível, de 2017, e Legado nos Ossos, de 2019. As críticas estão aqui. Os dois são baseados nos livros que fazem parte da Trilogia de Baztan, de Dolores Redondo. E agora nesse fim de semana, chegou no serviço o último filme, Oferenda à Tempestade. Ele fecha a trilogia sobre os casos de polícia que envolvem a família da investigadora Amaia (Marta Etura), com crimes cometidos nos arredores do Vale de Baztan, na região de Navarra, na Espanha.

Oferenda à Tempestade se passa exatamente um mês após os acontecimentos de Legado nos Ossos. Tudo começa com uma nova sequência de crimes relacionados à morte de um bebê. Isso desencadeia a abertura de mais uma investigação que pode finalmente mostrar a origem dos acontecimentos terríveis que assolam o Vale de Baztan. Além disso, Amaia se aproxima cada vez mais de um território sinistro onde os crimes acontecem, sempre seguida de um ar de mau presságio e destruição iminente.

A crítica

Apesar de duas horas e meia, a história não para, com ação e suspense todo o tempo. Além disso, tem um triângulo amoroso que estava em construção desde o filme anterior. Isso sem contar que, até mais do que nos filmes anteriores, há uma vibe de mistério e terror. Todo o tempo você sente que vai acontecer alguma coisa com Amaia. Há muita conspiração, bruxaria, e até morte de crianças. Isso, além de muito, mas muito sangue todo o tempo. Vários personagens dos outros filmes entram e saem da história. Aliás, #ficaadica, dê uma olhadinha nos outros filmes, especialmente Legado nos Ossos. Há montes de referências e lembranças de acontecimentos passados, então é bom relembrar para não ficar perdido no meio da história.

Também é bom se preparar, pois há momentos chocantes e violentos. Tem até um que me emocionou, quando Amaia perde alguém importante (#semspoilers). Oferenda à Tempestade ainda deixa algumas perguntas sem resposta no final, mas de qualquer maneira, proporciona um bom fechamento para a trilogia.

 

 

 

Existem 1 comentários

  1. Eu não entendi que força é esta (quem é) que liga e a pessoa comete um suicídio, pior ainda porque a investigação deixa claro que não queriam se suicidar.

    Resposta
  2. Nelson Toledo Filho |

    nelsontoledofilho@gmail.com
    Confesso que Oferenda à Tempestade me decepcionou. Não li os livros da trilogia escrita por Dolores Redondo, por isso não sei dizer se a adaptação para filme da parte final da trilogia foi adequada. Neste último filme, a inspetora Anaia mostrou-se bastante ineficiente e com pouca inteligência. Algumas mortes poderiam ter sido evitadas se ela tivesse sido mais esperta. Era evidente, por exemplo, que a velha amiga de sua mãe seria assassinada, por saber demais, mas ela não fez nada para impedir o crime. Quando sua tia lhe disse que “tirou” as cartas e descobriu que alguém muito próximo a ela corria perigo, ela também não deu bola. Ela também não seguiu os oportunos conselhos de seu parceiro policial, para que ela não se envolvesse amorosamente com o juiz. E ela demorou muito para perceber quem realmente era o juiz. Eu já desconfiava dele desde o segundo filme da trilogia. E ela continuou com a péssima atitude de agir sozinha, sem pedir a ajuda de seus companheiros policiais. No final, quando ela foi ao cemitério, ela deveria ter chamado reforços e isso poderia ter impedido a morte da mulher que tentou invadir o túmulo do pai do juiz. Enfim, seus inúmeros erros contribuíram para a morte de várias pessoas.

    Resposta

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *