fbpx

O triste resultado de O Céu da Meia-Noite

Eu admiro George Clooney como ator. Mas gosto ainda mais de seus trabalhos como diretor. Boa noite e boa Sorte e Suburbicon principalmente são brilhantes. Por isso, estava com uma enorme perspectiva para ver O Céu da Meia-noite, que estreou na Netflix na última semana. Ele tem sido muito criticado. Mas posso dizer que filme tem alguns prós e diversos contras.

As história é adaptada do livro homônimo de Lily Brooks Dalton. O mundo está acabando. Augustine (George Clooney) é  um solitário cientista no Ártico. Ele percebe que um grupo de astronautas está retornando para a Terra. E tenta tenta impedir que Sully (Felicity Jones) e seus colegas retornem em meio a uma misteriosa catástrofe mundial.

O filme acompanha a jornada de Sully, que tem que enfrentar os erros do passado, e ainda lidar com uma garotinha que foi deixada para trás. Ao mesmo tempo, acompanhamos as situações dos astronautas, que passam boa parte do tempo incomunicáveis. Com isso, não tem a menor ideia do que está acontecendo na Terra. Essa parte tem uma sequência que lembra muito Gravidade, que tinha o próprio Clooney como ator. Quase um cópia mesmo, que poderia até funcionar melhor na tela grande de um cinema. Mas o filme tem ainda outras “inspirações”. É o caso, por exemplo, de A Estrada, ou até mesmo um pouco de Ad Astra.

A crítica

O problema é que todas essas referências não fazem de O Céu da Meia-Noite um bom filme. Sim, tem uma belíssima fotografia, e tomadas de câmera superlativas. Mas não envolve. Tudo parece frio, tanto do ponto de vista de envolvimento como de temperatura. Chega a ser chato mesmo, e por vezes, deprimente. Somente a cena final traz algum envolvimento, mesmo que a resolução seja um tanto óbvia  para qualquer um que já tenha visto um considerável número de filmes. Além disso, há flashbacks que pouco servem para explicar alguma coisa. 

Mas é claro que há algo que vale a pena em O Céu da Meia-Noite. E isso é a atuação de George Clooney, talvez a melhor de sua carreira. Ele tirou todo as referências de charme e beleza que temos dele. Não há um momento, um só olhar, um só sorriso de lado, que entregue o ator. Ele tem também um grande química com a excelente garotinha que pouco fala, feita por Caoilinn Springall, que marca presença fortemente. 

O resto do elenco inexiste. Kyle Chandler, Demian Bichir, David Oyelowo tem pouquíssimo a fazer. Já Felicity Jones entrega mais uma daquelas atuações que demonstram quase nenhuma emoção, como ela faz normalmente. Ou seja, está em perfeita sintonia com um filme que não envolve, infelizmente.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *