fbpx
Conecte com a gente

Olá, o que você está procurando?

Cinema

O passado revisto em Ânsia de Amar

Tenho em mente que o passado existe e não é possível apagar. Sou veementemente contra essa cultura de cancelamento de filmes que temos visto recentemente. No ano passado,  na HBO Max, foi o caso de E o Vento Levou. Este ano, lembro do caso de Grease, um dos filmes mais bobinhos que existem, e que eu amo. Quando foi ao ar na BBC, Grease sofreu cancelamento. O motivo era que propagava  racismo, sexismo, homofobia e de estigmatizar mulheres por suas escolhas sexuais. Não importa que sua história se passe nos anos 50 e tenha sido feito em 1978. Tem que ser cancelado, e apagado da face da Terra como se o comportamento da época nunca tivesse existido. Correndo o risco de ser cancelada também, acho isso irreal. Os costumes existiram, não há como apagar. Pensei nisso enquanto assistia ontem Ânsia de Amar, disponível no Belas Artes a la carte (www.belasartesalacarte.com.br).

Apesar do filme ser de 1971, eu nunca havia assistido. Um daqueles imperdíveis que a gente deixa passar. Dirigido por Mike Nichols com roteiro de Jules Pfeffer, é um dos mais contundentes, crus e agressivos filmes sobre comportamento que já vi. Ele segue a jornada dos costumes e aventuras sexuais de dois amigos de universidade durante duas décadas. Um deles é o misógino Jonathan (Jack Nicholson). O outro é o tímido e neurótico Sandy (Art Garfunkel da dupla Simon & Garfunkel). Os dois encarnam uma lista de disfunções emocionais, enquanto vão de um relacionamento para outro.

A crítica

Como o filme não é tão popular e conhecido hoje em dia, ninguém fala do tratamento das mulheres na história. São destratadas, manipuladas, e só ficam na história enquanto fazem parte da vida dos dois homens. Mas, mais uma vez, era o retrato de uma época. E como retrata bem os relacionamentos, e a forma como os homens viam as mulheres na época. Talvez algumas coisas ainda se mantenham até hoje.

Art Garfunkel me surpreendeu como ator, criando um Sandy dependente da aprovação e das manipulações de Jonathan. E Jack, que  tem aqui um de seus primeiros papéis principais, após uma participação marcante como coadjuvante em Sem Destino. Demonstra aqui todo o talento que lhe renderia três Oscars, uma coisa meio selvagem e inexplicavelmente atraente. Mas, no final quem acaba brilhando mais é Ann Margret.  Ela teve uma indicação ao Oscar e ganhou o Globo de Ouro. A sua Bobbie é a garota sexy que acaba sendo o alvo de todo o abuso de Jonathan. Suas cenas são incômodas e perfeitas. O filme ainda tem participações bem interessantes de Candice Bergen e Rita Moreno.

O formato de Ânsia de Amar é reflexo de sua época, mas o texto e as atuações são eternos. Vale conhecer como um estudo de comportamento e de cinema. É quase um documento histórico.  Ainda bem que muita gente não o descobriu para querer cancelar.

 

Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você também pode gostar de ler

Cinema

Há alguns diretores que tem um estilo todo o pessoal. Ou seja, mesmo sem ver os créditos, você sabe que um filme foi dirigido...

Cinema

Hoje (17), estreou no Belas Artes a La Carte, um dos filmes mais pessoais e diferenciados da carreira de Alfred Hitchcock. É Festim Diabólico,...

Cinema

Os fãs de clássicos tem sempre dificuldades de achar os filmes no streaming. De vez em quando se “pesca” um aqui, outro ali. Mas,...

Cinema

Outro dia, conversando com uma amiga, ela me pediu dicas de filmes leves, românticos, para rir. Ela especificamente disse “filme de beijo na boca”,...

Cinema

Há algum tempo, assisti o filme biográfico da cantora Dalida na TV. A produção de 2016 era bem feita einteressante. E me fez conhecer...

Streaming

Eu me lembro a primeira vez que vi Lambert Wilson. Faz muito tempo, no filme Sahara, uma bomba dos anos 80 com Brooke Shields....

Cinema

Gosta de filmes franceses? O Belas Artes a La Carte  vai disponibilizar 29 filmes do país  entre  15 de janeiro a 15 de fevereiro...

Cinema

Ricardo Darín é uma daquelas unanimidades cinematográficas. Todo mundo gosta dele e da maioria de seus filmes. É o caso de seus grandes clássicos,...