fbpx

A inocência de Amor e Monstros da Netflix

Talvez a maior surpresa das indicações do Oscar este ano tenha sido Amor e Monstros. O filme que estreou ontem(14) na Netflix, conseguiu uma indicação inesperada ao Oscar de efeitos visuais. Não tem chances, já que o provável vencedor será Tenet. Mas, mesmo assim, é uma conquista invejável. Até porque a criação dos monstros lembra até um pouco os clássicos de Ray Harryhausen, de mais de 50 anos atrás. E talvez seja exatamente isso o seu diferencial. 

Na história, tudo começa com um apocalipse. Os insetos se transformaram em grandes mosntros , e grupos de pessoas acabam sobrevivendo em bunkers.  Sete anos depois do início disso tudo, o fofo Joel  (Dylan O’Brien) faz uma descoberta. Sua namorada da época, Aimee, feita por Jessica Henwick (Punho de Ferro), está viva e morando numa comunidade há  alguns quilômetros de onde ele vive. Ele então abandona seu  bunker e resolve fazer uma jornada super perigosa para chegar até lá. No caminho, além dos monstros, ele encontra amigos, inimigos. E ainda uma amizade verdadeira com Boy, o cachorro mais inteligente da história.

A crítica

Amor e Monstros é fofo, mas super inocente. Isso se deve muito à atuação extremamente simpática e doce de Dylan O’Brien. E ainda mais pela descrição da amizade dele com o cachorro. Com isso, o diretor Michael Matthews já conquista todo o mundo. Você já viu inúmeras variantes dessa história, jovem em busca de seu amor enfrentando os mais diversos perigos para chegar até ela. A diferença aqui são os monstros  e a personalidade do personagem principal. 

O filme alterna o momento presente com flashes do passado, que explicam como tudo começou, como Joel e Aimee se separaram. E ainda como Joel foi parar no bunker. A melhor parte é justamente o caminho de Joel para chegar até Aimée, especialmente sua interatividade com Boy. Há também a participação simpática de Michael Rooker e  Ariana Greenblatt (O Grande Ivan), como dois andarilhos. Estes serão muito importantes para que Joel complete sua jornada. O final, depois que ele chega até ela, vira meio Transformers, com monstros e muitas explosões. 

Mas Amor e Monstros se firma como um show de Dylan O’Brien. Para os fãs e para aqueles que não conheciam de Teen Wolf e Maze Runner. Tem potencial para alçar voos mais altos. E, claro, Boy o cachorrinho, é a coisa mais fofa desse mundo. Dá vontade de ter um igual!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *