fbpx

Tom Hanks ilumina Um lindo dia na vizinhança!

A gente já sabe que Tom Hanks é um ótimo ator. Seus dois Oscars – por Filadélfia e Forrest Gump –  e mais um monte de indicações estão aí pra comprovar isso . E agora em 2020, ele foi mais uma vez indicado, dessa vez como coadjuvante por seu incrível trabalho em em Um Lindo dia na Vizinhança, que estreia nessa quinta (23) nos cinemas do país. É a única indicação do filme.

Aqui Tom é Mr. Rogers, que era um apresentador de um programa para crianças que tinha enorme sucesso na TV nos Estados Unidos. Um jornalista desiludido (Matthew Rhys, de The Americans) é chamado para fazer um pequeno perfil do artista. Ele vai a contragosto, mas não poderia imaginar que aquela entrevista iria mudar sua vida para sempre. O filme mostra a vida do jornalista, e o que aconteceu com ele após a convivência com Mr. Rogers.

A crítica

A direção de Marielle Heller, que fez em 2018 o superior Poderia me Perdoar?,  dá à história um tom de fábula. Mr. Rogers lembra muito aquele vovô sábio que sabe o que dizer no momento certo. Em alguns momentos, ele parece um anjo caído do céu, pronto para ajudar as pessoas. E o mais incrível disso é que o roteiro é baseado em uma matéria verdadeira feita pelo jornalista Tom Junod para a revista Esquire em 1998. Ou seja, não deixa de ser baseada em uma história real, mesmo com a mudança do nome do jornalista para Lloyd Vogel no filme.

O verdadeiro Tom Junod e Matthew Rhys no filme.

Há boas cenas, como a da canção no metrô, ou mesmo a da visita de Mr. Rogers à casa do jornalista. Mas, o grande problema é que Um Lindo Dia na Vizinhança não funciona no todo. Pelo menos não funcionou sob o meu ponto de vista.Vi pessoas que se sentiram tocadas pela história, especialmente pela situação da dificuldade da relação entre pai e filho. Não foi o meu caso.  Há inclusive uma cena no meio do filme quando o jornalista tem uma alucinação/sonho que o transporta para dentro do programa de Mr. Rogers, que é totalmente ridícula. Vergonha alheia para Matthew Rhys, que também está muito bem no papel de Lloyd Vogel.

O elenco

Aliás , o elenco é de primeira. Tem ainda Christine Lathi (que eu adoro) como a editora, Chris Cooper, como o pai do jornalista , e ainda Susan Kelechi Watson (de This is Us) , como a esposa. Entretanto, é lógico que quem mantém os olhos da audiência grudados na tela é Tom Hanks. Desde a primeira sequência (longa) onde ficamos conhecendo o Mr. Rogers da frente da telinha , ele conquista totalmente. Na verdade, se estivéssemos num outro ano em que o mundo não desejasse ardentemente premiar Brad Pitt (não me leve a mal, eu também!! Rs!), Tom teria sido escolhido como o melhor coadjuvante do ano. Seu olhar doce, a expressão corporal, e especialmente o tom de voz e a forma de falar. Vi só alguns vídeos antigos de Mr. Rogers, mas Tom é um Mr. Rogers ainda melhor que o verdadeiro. Rs!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *