fbpx

Secretária continua divertido, sexy e interessante!

 data-srcset

Muito antes de Christian Grey, de Cinquenta Tons de Cinza, havia Edward Grey, de Secretária. Rsrs! Secretária é um desses casos de filmes que a gente sempre ouve falar, mas nunca viu. O filme é de 2002, e deu várias indicações de prêmios para Maggie Gyllenhaal, mas por sei lá que razão, nunca havia assistido. Ontem, procurando algo para ver na Amazon Prime Vídeo, me deparei com o filme. Mesmo tantos anos depois de ser produzido, o filme ainda surpreende como uma história de amor nada comum.

Tudo começa com a jovem Lee Holloway (Maggie Gyllenhaal) saindo de uma instituição psiquiátrica. Ela ainda lida com severos problemas emocionais quando retorna à casa dos pais. Só que Lee está determinada a mudar de vida, e consegue um emprego de secretária de um advogado muito exigente, E. Edward Grey (James Spader). Paralelamente, ela também começa a namorar Peter, um rapaz gentil mas sem graça.  Só que a relação de trabalho com Edward Grey começa a se desenvolver de um modo inesperado, que vai afetar a vida de ambos.

A crítica de Secretária

É claro que é preciso avisar quem se interessar que há cenas com masoquismo, dominação e submissão. E sim, é uma comédia. Bem diferente de tudo o que você já viu, posso garantir. Há pouca nudez, mas a sensualidade está sempre presente na química entre os dois personagens. Em Secretária, nada é forçado. São duas pessoas que partilham dos mesmos gostos , e que fazem bem um ao outro. Ou seja,  para mim, a mensagem do filme é que há sempre alguém que combina com você, seja qual for a sua preferência. Uma pena que está disponível somente na versão dublada na Amazon.

 

Ainda assim, tudo parece estranho já de início. Lee tem o costume de se cortar, Edward tem uma obsessão com plantas e canetas vermelhas. Mas  o diretor Steve Shainberg consegue envolver o público e fazer torcer por este dois. O roteiro, de Erin Cressida Wilson, de A garota no Trem, é brilhante, por sua leveza e falta de preconceito. E, é claro, tem a atuação de Maggie Gyllenhaal. Como ela é sempre ótima! Sua transformação da garota insegura  em mulher que sabe o que quer envolve não só o olhar, a forma de falar, mas principalmente sua linguagem física. Ela não concorreu ao Oscar naquele ano – era demais para a Academia, né?  Mas recebeu uma indicação ao Globo de Ouro, e venceu o Gotham e o National Board of Review. É provavelmente sua melhor atuação.

Já James Spader está um pouco over, como sempre, mas seu papel comporta esse exagero. O engraçado é perceber que provavelmente E.L. James deve ter assistido algumas vezes Secretária para se inspirar  para seu romance Cinquenta Tons de Cinza. Até mesmo no nome do protagonista dominador. Rsrs!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *