fbpx

Para conhecer Jackie Kennedy…

 data-srcset

Houve um tempo em que Jackie Kennedy (depois Onassis) era uma das mulheres mais famosas do mundo. Hoje, mais de 20 anos após a sua morte, é pouco provável que alguém com menos de 30 anos consiga reconhecê-la. É claro que Jackie, que estreia nos cinemas esta semana, não pretende atingir grandes públicos. É um filme para poucos, mas que tem uma atração especial: foi um dos últimos filmes de John Hurt, falecido na semana passada e que aqui faz o padre com quem Jackie conversa muito.

Resultado de imagem para jackie film john hurt and natalie portman

Tudo começa quando Jackie, após o atentado que matou o marido, o presidente John Kennedy em 1963, está sozinha em uma mansão e recebe um jornalista (inspirado no repórter da Life, Theodore J. White) para uma entrevista. Ela relembra momentos quando o marido ainda era vivo, a vida na Casa Branca, inclusive um especial para a TV sobre o local, e é claro, o pré e pós assassinato do presidente. A intimidade com os filhos, a melhor amiga (Greta Gerwig) e também com o cunhado Robert Kennedy  (que me parece uma relação beeeem próxima) também ganha espaço na história.  Logo demonstra que a imagem frágil que ela passava para todos estava bem longe da realidade.

O diretor Pablo Larrain disse que logo quando foi convidado para assumir o projeto,  só aceitaria se Natalie Portman fosse Jackie. O filme é todo construído em cima dela, sua presença é sentida em praticamente todas  as cenas, mesmo aquelas em que ela não está presente. E como ótima atriz que é, entrou fundo na personagem. Mas a minha sensação é que ela fez Jackie tão intensa que o público sai do cinema com uma sensação desconfortável. Não sei se a voz de Jackie era realmente daquele jeito, mas a mim acabou cansando. Ela, que era a grande favorita ao Oscar do ano, vem perdendo espaço para Emma Stone (La La Land), que levou o prêmio do sindicato no último domingo.

Natalie e Emma no Globo de Ouro

O filme concorre a três Oscars, atriz, trilha sonora (“presente demais” em minha opinião) e figurino, exatamente as mesmas categorias do BAFTA.  No Independent Spirit, ele pode levar filme, atriz, montagem e diretor.

Já vi vários filmes que tinham Jackie Kennedy como personagem. Esse é obviamente o mais “artístico” deles. É bonito de ver, com um figurino fantástico ( o final é ótimo), tem um bom roteiro, mas cansa um pouco. Então sua reação ao filme vai depender se  você está  no clima ou não para tanta intensidade.

Resultado de imagem para jackie film john hurt and natalie portman

 style
 style

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *