fbpx
Conecte com a gente

Olá, o que você está procurando?

Cinema

O retorno dessas inesquecíveis e Adoráveis Mulheres

Eu sou grande fã da história de Adoráveis Mulheres. Li o livro, vi as outras versões para o cinema – de 1933, de 1949, de 1994 – além da minissérie de 2017, com Maya Hawke como Jo. Então estava com grande expectativa para ver esse novo filme que estreia nesta quinta nos cinemas. É uma bela produção, que chegou com pretensões altas na Temporada de Premiações. Quem conhece a história de cor e salteado como eu, vai gostar. Os demais, podem ter algumas ressalvas.

Para quem nunca viu os filmes, nem leu o livro de Louisa May Alcott, Adoráveis Mulheres conta a história das irmãs March. Jo (Saoirse Ronan), Beth (Eliza Scanlen), Meg (Emma Watson) e Amy (Florence Pugh) amadurecem na virada da adolescência para a vida adulta enquanto os Estados Unidos atravessam a Guerra Civil. Com personalidades completamente diferentes, elas enfrentam os desafios de crescer unidas pelo amor que nutrem umas pelas outras, ao lado de sua mãe, Marmee (Laura Dern) e de seu vizinho e amigo Laurie (Timothée Chalamet).

Os tempos mudam

Há muita gente que conheço que é contra refilmagens. Eu discordo. Creio que a cada época o cinema fala com uma geração ao contar uma certa história. É improvável que a maior parte da audiência de hoje conseguisse embarcar na versão de 1949 de Adoráveis Mulheres – que se chamava Quatro Destinos. A linguagem, a forma de contar a história, as atrizes, tudo mudou. Não estou entrando aqui em qual é melhor ou pior, apenas qual é aquele que terá penetração com um novo público. A personagem de Jo March sempre foi uma feminista, sempre foi audaciosa, mas tudo conforme o seu tempo. A Jo de hoje, de Saoirse Ronan, pode ser muito mais feminista do que a Jo de June Allyson de 1949. E por consequência, falar mais com a mulher de hoje.

As quatro Jo March do cinema: Katherine Hepburn, June Allyson, Winona Ryder e Saoirse Ronan.

Dito isso…

Como produção, Adoráveis Mulheres é impecável. Maravilhosa direção de arte, figurinos, fotografia, ótimos atores. Além do elenco principal que já citei, ainda têm Meryl Streep (Tia March), Chris Cooper (Mr. Laurence), Tracy Letts (Mr. Dashwood, o editor), Bob Odenkirk (Mr. March), James Norton (John Brooke), e até o francês Louis Garrel como o alemão professor Bhaer. Todos muito bem, assim como as atrizes principais. Não sou grande fã de Saoirse, mas tenho que reconhecer que como Jo, ela tem o seu melhor momento.  Só que a grande descoberta, aquela que realmente brilha no filme, é Florence Pugh. Com certeza, é a melhor Amy que já vi.

Mas, é claro, esse novo Adoráveis Mulheres têm seus probleminhas. A diretora Greta Gerwig optou por fazer uma narrativa não linear. Ou seja, o tempo vai e volta. E para quem não conhece a história, a única maneira de saber a época em que está  é o tamanho do cabelo de Jo. Com isso, a nova audiência da história pode ficar confusa, especialmente na parte da morte de um dos personagens.

Além disso, Greta também optou em ir mais além onde os outros filmes terminaram – “suas mãos não estão mais vazias”. Ela adicionou mais cenas, ressaltando o lado progressista de Jo, como uma mulher à frente de seu tempo. Os puristas vão se incomodar. Confesso que achei bonito, mas os finais das “mãos”  dos filmes anteriores são simplemente superlativos. Mas é assim, são novas escolhas , de novos tempos. Entretanto, me deixaram com vontade rever a versão, também maravilhosa, com Winona Ryder e Gabriel Byrne no caminho no meio da chuva novamente.

 

Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Últimas Notícias

Séries

Outlander é uma daquelas séries que tem seguidores fanáticos. Há nove livros da saga disponíveis (li seis deles). E a série já foi aprovada...

Streaming

Muita gente deve lembrar do caso do time de futebol de meninos que ficou preso em uma caverna na Tailândia, que logo se encheu...

Streaming

Essa semana o American Film Institute anunciou que vai conferir a Michelle Yeoh o título de Doutor Honoris Causa das Artes. Tudo isso por...

Gossip

Anne Heche, mais conhecida por filmes como Volcano e Seis Dias, Sete Noites (ambos do Star Plus), sofreu um grave acidente em Los Angeles....

Streaming

Essa semana, várias notícias sobre a Warner – com o cancelamento do filme da Batgirl – e o fim da HBO Max pipocaram nas...

Você também pode gostar de ler

Streaming

Todo mundo estava esperando esses dois últimos episódios da quarta temporada de Stranger Things. Havia a preocupação de que um personagem principal morreria. E...

Cinema

Me lembro perfeitamente a sensação de deslumbre quando vi o primeiro Jurassic Park lá nos anos 90. Os dinossauros eram perfeitos e você se...

Streaming

A gente teve que esperar três anos pela nova temporada de Stranger Things na Netflix. Para quem é fã foi muuuitooo tempo. Mas a...

Cinema

No fim da semana passado,  o nome  de Olivia Wilde ocupou boa parte da mídia. O motivo principal foi que no meio de sua...

Cinema

O mercado de cinema está à toda, com a realização da CinemaCon em Las Vegas. A todo momento saem novidades sobre novas produções ,...

Cinema

Morbius era para ter chegado nos cinemas em 2020. Mas, como vários outros casos, a pandemia acabou adiando, e adiando, e adiando. O filme,...

Streaming

A crítica em geral odeia, mas eu gosto dos filmes de Adrian Lyne. Atração Fatal, 9 e 1/2 Semanas de Amor, Infidelidade. Acho que...

Premiações

A ideia do Critics Choice Super Awards foi premiar uma área do entretenimento que acaba sendo esquecida nas premiações “normais”. São os conteúdos que...