fbpx

O Mistério do Relógio na Parede é legalzinho!

Faz tempo que o cinema anda querendo achar uma franquia para entrar no nicho que o final de Harry Potter deixou. É claro que para cada Animais Fantásticos (a sequência estreia em 15 de novembro), da mesma autora, há um monte de outros que não tiveram o resultado esperado. É o caso de O Lar das Crianças Peculiares  ou Goosebumps: Monstros e Arrepios, só para citar dois. O novo filme da linha a tentar – só tentar – ser bem sucedido com esse público, é O Mistério do Relógio na Parede, que estreou essa semana nos cinemas.

A História

O filme é baseado no primeiro da série de livros de John Bellairs com o personagem Lewis Barnavelt, um garoto de 10 anos que perdeu os pais recentemente. Na história aqui, ele vai morar com seu tio Jonathan, numa casa aparentemente estranha, cheia de relógios, e como ele logo vai descobrir, com passagens e quartos secretos, além de grandes lareiras. O que o menino não tinha ideia é que seu tio e a vizinha da casa ao lado, Sra. Zimmerman, são, na verdade, feiticeiros, em busca de algo que está escondido na casa.

O filme é visualmente lindo, a mansão é super atraente, com todas aquelas coisas que a gente espera: quadros que se movem, estátuas que ganham vida, papéis que atacam pessoas, e uma das melhores coisas do filme, a poltrona que age como um cachorro. Se por um lado a direção de arte é estupenda, o filme  cansa um pouco com sua intensidade, e o roteiro vai fazer você achar que já viu coisa igual antes. Nunca li os livros, portanto não posso dizer se a adaptação é fiel.

A Influência em Supernatural

Um dos produtores, e também autor do roteiro, é Eric Kripke, que você que é fã de Supernatural, vai reconhecer de nome, já que é o criador da série de enorme sucesso até hoje. Em uma entrevista à Entertainment Weekly, ele revelou o que o fato de ser fã dos livros de John Bellairs o ajudou a criar a série dos irmãos Winchester.

O Mistério do Relógio na Parede estabeleceu as regras que levei comigo para Supernatural. Regra nº 1: Não percebi até anos mais tarde, mas fiquei muito surpreso quando percebi que todo folclore e todo objeto de ocultismo mencionados no livro de John Bellairs é algo que existe no mundo real, em lendas por aí. E quando me sentei com os roteiristas de Supernatural, eu disse que todo  a referência de folclore deveria existir em algum lugar. O termo é que tudo que existiria na séries teria que ser “digno do Google”.

O Diretor

A surpresa vem com o fato do diretor de uma aventura infanto-juvenil ser Eli Roth, que você conhece de O Albergue, e recentemente da adaptação de Desejo de Matar, com Bruce Willis. Reconhecido, pelo uso de sexo e violência em seus filmes, Eli foi uma escolha pouco ortodoxa para um filme da Amblin (produtora de Steven Spielberg). De qualquer maneira, como a expectativa é assustar um pouco, ele não se sai mal. O Mistério do Relógio na Parede  é bem melhor que a maioria de seus filmes (o que não significa muita coisa).

O Elenco

Jack Black, como sempre, faz o papel de Jack Black, e Cate Blanchett, impõe sua classe natural como a vizinha. Mas não tem muito a fazer. É certo que a expectativa aqui é que seja o início de uma franquia. Hummm, acho pouco provável. Afinal o filme é só ok. Se bem que ele deve estrear em primeiro lugar nas bilheterias americanas esse fim de semana, já que não tem grandes competidores.  Quem sabe?

As fotos são de divulgação.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *