fbpx

A despedida de Hugh Jackman em Logan

 data-srcset

Quando Hugh Jackman esteve aqui no Brasil antes do carnaval para lançar Logan, conquistou todo o mundo com sua simpatia. E especialmente pelo carinho que obviamente tem pelo personagem  que fez durante 17 anos e o transformou em astro. É mais um daqueles casos onde o destino realmente demonstra que sabe o que está fazendo já que Hugh não era a primeira escolha para o papel. E sim o hoje pouco visto Dougray Scott, que não pôde fazer por causa das filmagens de Missão Impossível 2 (onde ele fazia o vilão) que atrasaram. Com isso, Wolverine ganhou o seu intérprete perfeito que se despede agora em Logan, que estreia amanhã nos cinemas, de uma maneira triste mas perfeita.

Imagem relacionada
Dougray Scott e Hugh Jackman

Num futuro próximo, os X-Men praticamente não existem mais, e um já envelhecido Logan se esconde junto com um também doente professor Xavier na fronteira do México com os Estados Unidos. Ele sonha com um futuro tranquilo num barco  em alto-mar, só que tudo se complica quando uma garotinha mutante e com os mesmos “poderes” de Logan acaba aparecendo na vida dele. E o pior, com isso atrai forças poderosas e terríveis que a estão perseguindo.

Pouco conheço sobre os quadrinhos dos X-Men, mas a história foi baseada em Old Man Logan, com algumas referências ainda de Mutant Massacre e X-23. Segundo Jackman, enquanto ele estava fazendo o press tour daquele filme horroroso, Chappie, ele gravou uma mensagem para si mesmo dizendo que gostaria que sua última aventura como Wolverine fosse um mix de Os Imperdoáveis, O Lutador e Os Brutos Também Amam. Foi o que aconteceu. Jackman chegou a dizer que queria parar de ser o personagem devido a idade e seus problemas de saúde (um câncer de pele reincidente). Mas também porque queria sair quando fosse o momento certo, enquanto as pessoas não haviam se cansado dele.

Hugh, Patrick Stewart e Dafne Keen no Festival de Berlim

E ele conseguiu. Logan é um filme bem diferente de todos os outros do X-Men. Definitivamente não é o que conhecemos como filme de super-herói. É mais triste e mais próximo da realidade. Em alguns momentos, me lembrou Mad Max: A Estrada da Fúria, com aquele tom sem esperança realçado por um clima de deserto. De qualquer maneira, o diretor James Mangold, que já havia dirigido Jackman no fraco Wolverine: Imortal , de 2013, conseguiu aqui aquilo que sempre esperamos de um filme de Wolverine e nunca conseguimos: um filmão! Ele alterna momento dramáticos (tente não se emocionar no final), com muita ação e até alguns momentos de humor (para sorrisos, não gargalhadas).

Resultado de imagem para logan movie

Mas é claro que por mais que Sir Patrick Stewart, numa aparente despedida também do Professor Xavier, e a incrível menina Dafne Keen (Laura) sejam simplesmente ótimos, o filme é de Hugh Jackman. Normalmente, ele faz tudo parecer tão fácil nos mais diferentes papéis que a gente acaba esquecendo o ator incrível que ele é. Aqui, em cada olhar, em cada andar cansado, ele mostra como é fantástico. Com certeza, Logan vai deixar em você um gostinho de quero mais. Mais Hugh Jackman, mais Logan! Só que infelizmente acabou!

Resultado de imagem para hugh jackman wolverine through the years

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *