fbpx

Casey Affleck volta ao cinema em A Luz no Fim do Mundo

Sou uma daquelas pessoas que simplesmente não suporta Casey Affleck. E devo dizer que isso vem de muito antes do escândalo de estupro. Acho que ele faz sempre a mesma coisa. Sua atuação é sempre igual. Fiquei inclusive muito revoltada quando ele ganhou o Oscar de melhor ator por Manchester à Beira-Mar de Denzel Washington, com aquela atuação soberba de Um Limite entre Nós. Mas, mesmo assim , tento manter a mente aberta, e vou assistir a todos os seus filmes. O último deles é Uma Luz no Fim do Mundo, que estreou essa semana nos cinemas.

A história

Um pai e uma filha estão acampando na floresta. Logo ficamos sabendo que o mundo foi atingido por uma pandemia, que eliminou a maioria das mulheres da face da terra. Num mundo praticamente só com homens, um pai (Casey Affleck) vive recluso na floresta com a filha adolescente Rag (Anna Pniowsky). Eles são muito ligados, e logo ficamos sabendo que ele tenta protegê-la do ataque de homens em busca de mulher.  Por isso, pai e filha precisam se esconder sempre. E ele ainda tem que estar pronto para  lutar para proteger a menina  quando for preciso.

A crítica

Em vários momentos o filme me lembrou A Estrada, de 2009, com Viggo Mortensen. Mas de qualquer maneira, mesmo com uma antipatia natural por Casey Affleck, é preciso reconhecer seu esforço para fazer esse filme. Diz a lenda que ele levou 10 anos para conseguir produzir, dirigir, roteirizar e atuar em A Luz no Fim do Mundo. Ele têm boas doses de suspense, drama, e ainda uma cena de luta bem real e violenta. Com uma participação especial de Elisabeth Moss, como a mãe da menina, o filme têm alguns momentos onde se arrasta um pouco. Masas isso, em geral, é compensado pelas cenas de fugas de pai e filha.

No geral, Casey está até melhor do que o usual. Pelo menos, a cara de enfado está mais “dominada”.  Como diretor, ele têm boas soluções cinematográficas para um filme pequeno mas instigante. Mas é preciso reconhecer que ele poderia ter cortado uns bons 15 minutos das quase duas horas de duração para tornar o filme  mais “redondo”, e por consequência, atingir um público maior. Haverá momentos que, garanto, você vai sentir uma vontade enorme de fechar os olhos por apenas alguns segundos. Rsrs!

Fotos de divulgação

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *