fbpx
Conecte com a gente

Olá, o que você está procurando?

Cinema

A crítica social de Um Homem de Sorte da Netflix

Pra começar, o Um Homem de Sorte do título não é o filme de Zac Efron, baseado no livro de Nicholas Sparks. Este aqui é um filme dinamarquês, dirigido por Bille August. Ele é o diretor de Pelle, o Conquistador, vencedor do Oscar e da Palma de Ouro. Gosto muito de seus filmes. Recentemente vi Trem Noturno para Lisboa (disponível na Amazon Prime). Vale a pena! Meu amigo José Augusto Paulo assistiu Um Homem de Sorte, uma produção de 2018,  com 2h42 de duração.  A crítica dele está a seguir:

Bille August e os atores do filme

Um Homem de Sorte

A Revolução Industrial teve uma grande influência no desenvolvimento da literatura. O aumento da população urbana expandiu o número de leitores. O Romantismo foi muito beneficiado. Mais tarde, na segunda metade do século XIX, houve a expansão da alfabetização. Isso também contribuiu para a popularidade de livros e publicações em geral. Com as mudanças sociais os assuntos evoluíram. Da busca e realização do amor, e historias mais caseiras, para uma análise e critica social mais ampla. Estas quase sempre vinham com alguma lição moral, como que para educar as classes ascendentes.

É nesse viés que encontramos Lykke Per (Afortunado Per), escrito por Henrik Pontoppidan. Ele recebeu o Prêmio Nobel de Literatura em 1917. Foram oito volumes entre 1898 e 1904. Este se tornou um dos livros mais conhecidos na Dinamarca (algo entre Dom Casmurro e Vidas Secas para eles). O trabalho é parcialmente autobiográfico.

A história

Um Homem de Sorte é mais uma versão em filme desse clássico. Conta a história de Peter, o filho de um pastor luterano do campo que sonha em ir para longe. O rapaz tem facilidade para matemática e engenharia. Ele  desenvolve, mais na mente do que no papel, um projeto de canais. que deveriam atravessar a Dinamarca. E também um sistema de moinhos para coletar energia do vento. Essa era uma ideia muitíssimo inovadora para a época em que o carvão era a fonte de energia dominante.

Peter se muda para Copenhague, para estudar engenharia. Mas, sempre acreditando que já sabe o suficiente para realizar o seu projeto. Por casualidade, conhece o membro de uma das famílias ricas da cidade. Eventualmente se torna namorado e depois noivo de uma das filhas. Tudo parece caminhar bem para Peter. Ele agora se chama Per, uma versão mais aristocrática do seu nome.  É quando o futuro sogro junta-se a outros possíveis investidores para seu projeto. Só que o orgulho e arrogância de Per se põe no caminho do seu sucesso. O autor Pontoppidan salvou-se de igual sorte dedicando-se à literatura que lhe trouxe a fama e o sucesso que a engenharia não lhe traria.

A crítica

O filme é um pouco longo (isso era esperado pelo tamanho do livro). Mas é  muito bem feito, com excelente atuações e impecável recriação de época. Há muita luz em varias das cenas. É como  se pretendesse nos lembrar de como o personagem principal é ‘iluminado’ pela sorte. Mas fica mais escuro com o desenrolar da história.

A lição moral em si é fácil. Especialmente porque é impossível assistir ao filme sem ver que Per está desperdiçando conscientemente excelentes oportunidades. Inclusive nos pegamos lamentando sua sorte. E também os danos que causa àqueles que estão a sua volta. Um clássico de peso filmado com elegância e estilo.

 

1 Comentário

1 Comentário

  1. regina

    14 de março de 2022 às 4:05 pm

    Adorei o filme do inicio ao fim

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Últimas Notícias

Cinema

Os filmes de Thor sempre estiveram entre os meus favoritos da Marvel. Sim, mesmo aqueles que ninguém gostou. Talvez seja por causa de Chris...

Streaming

O povo americano tem o seu dia da independência como uma das datas mais celebradas do ano. É quando soltam fogos, se reúnem para...

Streaming

O gênero da comédia romântica tem uma linguagem universal. Mas, é claro, que foi Hollywood que criou o esqueleto principal dessas histórias que envolvem...

Gossip

Ricky Martin sempre me passou a imagem de um cara gente boa, esforçado e bem-humorado. Cheguei a vê-lo na Broadway fazendo Che Guevara numa...

Streaming

No sábado, a internet em casa ficou meio capenga então resolvi dar uma olhadinha em dois filmes da Amazon Prime que eu tinha baixado...

Você também pode gostar de ler

Streaming

A lista da Netflix para esse mês de julho está bem boa. Tem um monte de coisas, mas eu separei aqueles 10 filmes e...

Streaming

Quando li a sinopse de Toscana, que está na Netflix, logo me lembrei de Um Bom Ano. Pra quem nunca viu, o filme traz...

Streaming

A minha dica especial da semana de cinema é O Peso do Talento, com Nicolas Cage, que está estreando nessa quinta. Surpresa: um filme...

Streaming

Adam Sandler foi um dos primeiros atores a fechar contrato com a Netflix. Desde então fez várias comédias por lá, como o megassucesso Mistério...

Streaming

Todo mundo adora Omar Sy, certo? Ele é ótimo, e seus filmes são sempre interessantes. Então quando li que ele tinha se juntado com...

Streaming

Quando 365 dias estreou, logo no início da pandemia, foi um enorme sucesso. Vinha naquele caminho de soft porn, que de vez em quando...

Streaming

Lembro uma época em que o diretor Jim Jarmusch era “o cara” do momento. Foi nos anos 80, quando fez Estranhos no Paraíso e...

Streaming

Feriado de Páscoa batendo na porta, e em alguns lugares, o frio também. Então, para quem vai ficar em casa nesse feriado prolongado, aqui...