fbpx
Conecte com a gente

Olá, o que você está procurando?

Séries

A comédia com crítica social de One Day at a Time

Normalmente dou preferência às séries dramáticas e de fantasia por puro gosto pessoal. E, com isso, acabo deixando de ver algumas séries com atores de quem gosto muito, como é o caso de Rita Moreno em One Day at a Time. A série é um reboot de outra de grande sucesso nos anos 70. Ela têm três temporadas disponíveis na Netflix. O serviço acabou cancelando a série, que foi resgatada nos Estados Unidos por um canal chamado Pop TV, que já começou a exibir a quarta temporada por lá. Por aqui não se sabe qual será o futuro dela. Meu amigo José Augusto Paulo assistiu as três temporadas da Netflix e escreveu sobre ela aqui. Dê uma olhadinha!

One Day at a Time

Como gostei de Justina Machado em Six Feet Under, e meu pai era fã de Rita Moreno, decidi tentar ver essa série que, na verdade, é a recriação de uma outra com o mesmo nome e enredo parecido. Ela foi ao ar entre 1975 e 1984, sendo considerada como uma das de maior sucesso na CBS-TV. Mas a nova série tem tantos paralelos quanto diferenças com a original.

A versão de 2017 mostra três gerações da mesma família cubano-americana que vivem na mesma casa. A mãe é uma ex-militar recém-divorciada (Justina Machado), sua filha é adolescente (Isabella Gomez), o filho um pré-adolescente(Marcel Ruiz), e ainda há sua mãe conservadora (Rita Moreno aos 85 anos quando a série foi lançada). O dono do apartamento onde moram (Todd Grinelli) vive de renda, mora no andar de cima, mas ajuda a família como pode. A versão de 1975 mostrava as aventuras de uma mãe divorciada, suas duas filhas e o zelador do prédio em que moravam em Indianápolis, todos ‘brancos’.

A crítica

Embora as atrizes principais sejam de origem porto-riquenha, assim como o ator que faz o filho, interpretam uma família cubana ‘com gusto’. Rita Moreno praticamente rouba quase todas as cenas em que está (o episódio em que canta Happy Birthday, a la Marilyn Monroe, é uma das cenas mais engraçadas da série). Está ótima e vibrante com mais de 80 anos. Os episódios tendem a misturar bem a comédia e o drama. Vez por outra a personagem de Justina ‘sobe no banquinho’ para dar seu recado sobre as perenes injustiças que ainda permeiam a sociedade americana. Há críticas veladas, e bem feitas, ao tratamento dado aos veteranos de combate. Também são mostradas as diferenças culturais normalmente ignoradas e até aspectos de preconceito em vários níveis. Só que, algumas vezes, as críticas são dramáticas demais, com conteúdo de menos.

E no final…

O roteiro e fotografia seguem o modelo clássico de comedias de TV das décadas anteriores. Quase a totalidade das cenas é filmada em estúdio, o constante apartamento é usado como cenário, com luz artificial, muitas cores e formas nos objetos. A atuação de Justina é melhor em drama do que em comédia, enquanto que Rita domina bem os dois lados. O roteiro poderia ser um pouco mais profundo. Entretanto a superficialidade sempre rendeu bem nesse estilo de série, mas é nos silêncios onde se acentua o drama. Uma grande diferença da série de 1975 é que, na  atual versão, os ‘brancos’ são mostrados como não muito brilhantes, tímidos, estereotipados. Já os ‘latinos’ tem todo o vigor, a persistência, a alegria de vida, e sabem se desvencilhar de tudo o que a vida lhes põe no caminho. Será esse um retrato mais politicamente correto dos dias atuais nos EUA?

Sem percebermos, nos acostumamos com a família Alvarez. Torcemos por seus sucessos, simpatizamos com seus desafios e queremos vê-los de novo, um dia de cada vez.

 

Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Últimas Notícias

Streaming

Eu não conhecia o romance Um Cavalheiro em Moscou. Mas me interessei pela adaptação na série do mesmo nome, que estreou ontem (17) no...

Cinema

Filmes de fantasia, que pretendem atingir crianças e adultos, podem acertar no tom, ou não. Várias versões erraram no tom. É o caso de...

Streaming

Bridgerton é uma delícia. Gosto muito das duas primeiras temporadas. A primeira tem cenas bem quentes, a segunda é mais sensual, com um jogo...

Cinema

Admiro muito as canções de Amy Winehouse. E, como sempre, fico triste de ver gente com tanto talento que acaba não conseguindo suportar o...

Cinema

Há uma infinidade de filmes de terror sobre grupos de jovens que se juntam em algum lugar e resolvem mexer com coisas que não...

Você também pode gostar de ler

Streaming

Provavelmente você já ouviu falar da minissérie inglesa Bebê Rena, que está na Netflix. Muita gente tem me perguntado sobre ela nas redes sociais...

Streaming

Sabe aquela situação em que você acompanha filmes e séries que tem uma certa similaridade? Pois foi o que aconteceu com meu amigo José...

Streaming

Há muito tempo, eu assisti o filme clássico francês O Salário do Medo. Dirigido por Henri Georges Clouzot, tinha Yves Montand no papel principal....

Streaming

Um tipo de história que sempre mexe comigo é a de reencontros com amores do passado. Daquele tipo o que poderia ter sido, mas...

Streaming

Eu estava em busca de um filme curtinho, desses de 1h30. E achei Capitã Nova, uma produção holandesa de ficção-científica, disponível na Netflix. Esses...

Streaming

Na época de minha adolescência, como muita gente mais, eu achava Rob Lowe um dos atores mais lindos da época. O primeiro ano do...

Streaming

Um amigo já tinha me avisado sobre esse filme. Mas eu não me lembrava se ele havia falado se era ruim ou bom, rs....

Séries

Heartland é uma série que é quase uma novelinha, que faz muito sucesso na Netflix. Entretanto, apesar de ter 16 temporadas, somente nove estão...