fbpx

Pose, a nova série de Ryan Murphy, chegou!

Eu sou fã confessa de Ryan Murphy. Não só porque ele é o criador de Glee, uma de minhas séries favoritas da vida, mas também porque tem uma capacidade criativa imensa. Tem um monte de séries suas disponíveis nos canais/aplicativos. E ainda este mês ganhou mais um Emmy, com O Assassinato de Gianni Versace: American Crime Story. Ele fechou recentemente uma parceria para produzir novas séries para a Netflix – provavelmente por perceber que seu estilo transgressor não teria muito espaço nos canais da Fox, depois da aquisição pela Disney.

Hoje (28) estreia mais uma série sua no canal Fox Premium – que também está disponível no app da Fox -, e é provavelmente a mais audaciosa de todas as suas produções.  Pose tem oito episódios e já foi renovada para uma segunda temporada.

Ambientada no final da década de 80, Pose aborda vários elementos da sociedade nova-iorquina da época: a subcultura dos ballrooms do Harlem, o surgimento dos yuppies, o universo social, artístico e literário da cidade, e as manifestações sexuais e culturais do momento. É especialmente interessante conhecer algo que eu nunca tinha ouvido falar. As castas de membros da comunidade LGBQT que se formavam para participar desses bailes/desfiles dos ballrooms. Nelas, membros de diferentes casas se desafiam em várias categorias e são julgados por seus trajes, suas atitudes e suas habilidades de dança.

Mas não era só isso. Eles também formavam um núcleo pessoal, familiar e social à parte.  E a série começa apresentando justamente isso. Após receber um diagnóstico médico devastador, Blanca renuncia à casa de sua mãe eletiva, Elektra, para criar sua própria casa, uma família auto-selecionada que apoia jovens LGBTQ rejeitados pelas suas famílias biológicas.  Juntos eles irão participar das competições para escolher os melhores dos ballrooms.

Junto com Angel, uma jovem prostituta trans porto-riquenha que desenvolve sentimentos pelo seu novo cliente Stan (casado e funcionário de Donald Trump  – sim, desse Donald Trump), e Damon, um aspirante a bailarino profissional que se une à nova casa de Blanca logo após ser banido do seu lar. Logo a Casa da Abundância de Elektra e a nova Casa de Evangelista de Blanca irão se enfrentar no que poderia se tornar uma rivalidade lendária. Eu gostei do primeiro episódio, e ainda mais da trilha sonora, com grandes sucessos da época. Mas, é bom deixar claro, é para ver se você não tem preconceitos.

Pose apresenta o maior elenco transgênero mais amplo da história da televisão e o maior elenco LGBTQ já reunido em uma série. Além disso, têm legendas inclusivas, desenvolvidas para dar visibilidade a todas as identidades presentes em conjuntos mistos de indivíduos. Ou seja, os gêneros das palavras são substituídos pela letra e. Ou seja, “todes” em vez de todos ou todas. Muito comprometido com a causa, Ryan anunciou que irá doar 100% dos lucros da série para instituições que ajudam a comunidade LGBTQ, “que fazem um trabalho incrível e precisam de nossa ajuda”.

Ryan na pré-estreia da série. Foto Mark Van Holden – Rex/Shutterstock

A série estreia no Fox Premium 1 a partir das 22 horas, e todos os episódios já estão no app.  Outros trabalhos famosos de Ryan Murphy estão disponíveis também no Foxplay. Glee, American Horror Story, American Crime Story, Feud, 9-1-1 e Scream Queens 

Fotos de cenas são de divulgação.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *