fbpx

A nova série da estrela de Gossip Girl, Leighton Meester

 data-srcset

Esse ano faz 10 anos que Gossip Girl estreou na TV americana. Se tornou uma favorita dos adolescentes da época, principalmente as meninas, que adoravam o estilo de Serena van der Woodsen (Blake Lively) e de Blair Waldorf (Leighton Meester). Mas depois de seis temporadas, a série chegou ao fim com finais felizes para as duas personagens. Blake, como todo mundo sabe, virou uma estrela de primeira grandeza, “carregando” sozinha filmes excelentes como A Incrível História de Adaline e Águas Rasas. Hoje também faz parte do casal de ouro de Hollywood ao lado do marido Ryan Reynolds. Já a história de Leighton é um pouco diferente. Ela preferiu o teatro, onde fez uma elogiada participação no clássico Ratos e Homens, ao lado de James Franco, e também gravou um disco, Heartstrings

Ela também casou. Com Adam Brody, de The O.C., num casamento feito no céu das séries adolescentes (rs), e teve uma filha, Arlo, em 2015. Mas suas tentativas posteriores no cinema não foram muito memoráveis, com exceção de sua participação em O Juiz, ao Lado de Robert Downey Jr.

Mas agora a atriz resolveu voltar à TV. Estreou ontem (5) na TV americana a série Making History, estrelada por ela e por Adam Pally, conhecido de outra série, Happy Endings. Ele é Dan, que está acostumado a fazer viagens no tempo. Em 1700, ele acaba conhecendo Deborah Revere (Leighton),uma mulher a frente de seu tempo, filha de Paul Revere, uma das figuras mais importantes da independência americana. E, é claro, no final do piloto (SPOILER, #sóquenão), Deborah acaba acompanhando Dan até o presente, dando início a várias aventuras em diferentes momentos da história.

O personagem foi o principal atrativo para Leighton. Em entrevista recente, ela disse: “Quando eu comecei a pensar em voltar a trabalhar, e olhando o que havia por aí, foi realmente importante fazer algo onde a personagem feminina me preenchesse, que fosse multifacetada, já que isso é tão difícil de encontrar. E nesta série há o romance, mas isso não é o principal. Não é por causa disso que o personagem está ali, e eu adorei isso. Eu amei que ela faz coisas que normalmente são ações masculinas – eu cavalgo, atiro com mosquetes e ainda salvo o dia, o que é o máximo”. O que será que Blair Waldorf acharia disso? Certamente não aprovaria o figurino (rs).

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *