fbpx
Conecte com a gente

Olá, o que você está procurando?

Cinema

Relembrando meus momentos preferidos de Yentl

Na semana passada, tive a oportunidade de assistir aqui em São Paulo a estreia do musical Yentl em Concerto, onde a cantora e atriz Alessandra Maestrini (aquela de Pato Branco, lembra?), interpreta a história do filme e do conto famoso de Isaac Bashevis Singer,  sozinha, somente acompanhada do pianista João Carlos Coutinho. Ela conta a história da jovem Yentl, sob seu ponto de vista. “Eu faço uma introdução contextualizando a história. Conto sua trajetória, exatamente como é, mas sob o meu ponto de vista. Assim, costuro o roteiro com emoção, humor, questionamento e o encantamento que senti ao entrar em contato com este conto”. E, é claro, também interpreta muito bem as canções em inglês. O espetáculo terá somente mais dois shows em São Paulo, nos dia 23 e 30, no Teatro Porto Seguro, no centro da cidade. Vale a pena.

Foi bom assisti-lo porque pude  relembrar o texto e as músicas de Michel Legrand com letras brilhantes de Alan e Marilyn Bergman (ainda me lembro de cor). E simplesmente adoro o filme de 1983, que foi a estreia na direção de Barbra Streisand. Concordo plenamente com Steven Spielberg que disse uma vez que Yentl havia sido o filme de estreia mais impressionante que ele havia visto desde Cidadão Kane. Não, não é exagero! Barbra brigou durante muitos anos para conseguir levar essa história para o cinema. E ele quase foi cancelado depois dos problemas do estúdio com o fracasso monumental de Portal do Paraíso. Mas Barbra sempre foi persistente: produziu, dirigiu, participou do roteiro e fez o papel principal. E ainda interpretou as músicas com aquela voz inigualável!

Para quem não conhece, a história se passa  no início do século 20 dentro de uma comunidade judaica. Yentl (Barbra) perde o pai, que lhe ensinava as sagradas escrituras, algo que era proibido às mulheres da época. Decidida a desafiar o destino que lhe condenava a permanecer na ignorância, traveste-se de homem e segue para uma universidade em Yeshiva. Lá se apaixona por Avigdor (um muito jovem e muito bonito Mandy Patinkin), seu colega de estudos, e tem então que descobrir até que ponto está disposta a abrir mão de sua identidade.

As músicas e especialmente as letras de Yentl são inigualáveis – ganhou o Oscar de trilha sonora. O filme foi um considerável sucesso de bilheteria para a época  e Barbra venceu o Globo de Ouro  de direção enquanto o filme também levou o de melhor comédia/musical. Infelizmente Barbra nem chegou a ser indicada ao Oscar na categoria (eram outros tempos). Mas duas das canções foram indicadas:

Papa can you hear me? é a mais famosa. No filme, Barbra, como Yentl, canta a música quase como uma prece, conversando com seu pai recém- falecido.

A outra é The way he makes me feel, quando Yentl começa a perceber que Avigdor a faz sentir de uma forma diferente.

Mas as minhas duas favortias não são essas. A minha preferida é No matter what happens, quando Yentl resolve contar toda a verdade a Avigdor.

https://www.youtube.com/watch?v=aufB9Zwqefc

E, é claro, o final, quando ela resolve seguir com sua vida para um mundo novo, um lugar onde ela não visse apenas “um pedaço do céu”. Veja que trabalho de direção, de posicionamento de câmera e, principalmente, que bela mensagem. Eu era bem novinha quando vi o filme, e depois quando ganhei o disco de presente, mas a mensagem de Yentl sobre a  busca de “cada possibilidade docemente imaginada” sempre norteou o meu caminho.

Yentl nunca foi lançado em DVD no Brasil. Há exemplares importados à venda. O Telecine passou há algum tempo. Se tiver oportunidade, não deixe de assistir. É um belo filme muito à frente de seu tempo!

 

 

1 Comentário

1 Comentário

  1. alfie

    23 de maio de 2016 às 6:50 pm

    Que lembrança maravilhosa.Que ótima escolha de cenas. Mas a sequência final é fantástica. Mandou bem, Eliane.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Últimas Notícias

Streaming

O povo americano tem o seu dia da independência como uma das datas mais celebradas do ano. É quando soltam fogos, se reúnem para...

Streaming

O gênero da comédia romântica tem uma linguagem universal. Mas, é claro, que foi Hollywood que criou o esqueleto principal dessas histórias que envolvem...

Gossip

Ricky Martin sempre me passou a imagem de um cara gente boa, esforçado e bem-humorado. Cheguei a vê-lo na Broadway fazendo Che Guevara numa...

Streaming

No sábado, a internet em casa ficou meio capenga então resolvi dar uma olhadinha em dois filmes da Amazon Prime que eu tinha baixado...

Streaming

Carnival Row estreou há uns três anos na Amazon Prime. Era uma daquelas séries que eu sempre pensava em começar a ver, mas acabava...

Você também pode gostar de ler

Streaming

Barbra Streisand é minha cantora preferida da vida. Sua voz melodiosa e lindíssima, além de sua fantástica escolha de repertório, sempre me fascinaram. Tenho...

Cinema

Pra que é fã de cinema clássico, esse início de 2022 está difícil de aguentar. Primeiro foi Peter Bogdanovich, ontem (7) foi Sidney Poitier....

Streaming

O teatro musical, o cinema, a música como um todo ficaram mais pobres. Isso porque faleceu Stephen Sondheim, aos 91 anos. Talvez o nome...

Séries

Ano passado, devido à pandemia, várias séries terminaram com um número de episódios menor do que estava programado. The Good Fight foi um deles,...

Cinema

Para mim, Barbra Streisand é uma das maiores. Como cantora é inigualável. Como atriz de comédia, é ótima, e como atriz de drama, emociona....

Séries

Pois é, o final de Criminal Minds está chegando e muita gente está se perguntando como será o fechamento da história. E ainda, será...

Séries

O dia não é dos melhores para a estreia de uma nova temporada, já que é no mesmo dia do Oscar. Mas depois de...

Séries

Criminal Minds, conhecido aqui também como Mentes Criminosas, marcou época na TV. Foram 14 temporadas, acompanhando as histórias da Unidade de Análise Comportamental, especialista ...