fbpx

O Pintassilgo e outras coisas que foram demais!

Há algumas histórias que se adequam mais ao formato de série – ou minissérie – do que propriamente ao de um filme de cinema. É o caso, por exemplo de O Pintassilgo, que estreia essa semana nos cinemas. Muita coisa acontece, vários personagens entram e saem da história. Tanto que o filme tem duas horas e meia de duração. Mas no cinema, visto de uma tacada só, com drama atrás de drama acontecendo para o personagem principal, o efeito é cansativo. E além de tudo, você fica querendo saber sobre algumas histórias que acabam sendo esquecidas nas idas e vindas do roteiro. Uma pena!

A história

Um atentado terrorista no Metropolitan Museum of Art, em Nova York, modifica para sempre a vida do jovem Theodore Decker (Oakes Fegley, o fofo garotinho de Meu Amigo, o Dragão). já que sua mãe falece no local. Nos dias seguintes Theo recebe o abrigo da sra. Barbour (Nicole Kidman). Só que logo após o bombardeio, o caminho de Theo se cruzou com o de um homem misterioso que lhe deu um anel e um conselho. Essas duas coisas vão modificar a vida do garoto para sempre.

Elenco e mais…

O filme tem dois momento temporais. Esse, descrito acima, com Theo ainda criança. E depois ele já adulto, quando é feito por Ansel Elgort (sempre ótimo). Aliás, o elenco é um show à parte. Nicole, Ansel, Jeffrey Wright, Sarah Paulson, Dennis O’Hare. Mas por incrível que pareça, quem me chamou mais a atenção foi Finn Wolfhard (sim, ele mesmo, de Stranger Things). Como o amigo de Theo que o introduz no mundo das drogas, Finn está divertido, e é a melhor coisa do filme com seu sotaque russo .

O roteiro  de O Pintassilgo é baseado em um livro ganhador do prêmio Pulitzer de autoria de Donna Tartt. Eu não li o livro, mas pelo que sei, o roteirista Peter Streughan foi bem fiel (tanto que o filme tem duas horas e meia!!). Está tudo lá: terrorismo, explosões, romance, caridade, romance, drogas, violência, antiguidades, falsificação, chantagem, amor impossível, máfia russa. Ou seja, cada um desses tópicos sozinho renderia um filme até bem interessante. Tudo junto fica bem cansativo.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *