fbpx
Conecte com a gente

Olá, o que você está procurando?

Cinema

O fim dos X-Men com a Fênix Negra

São tantas despedidas esse ano que meu pobre coração nerd está muito triste. Game of Thrones, Vingadores, The Big Bang Theory, e agora X-Men. Sim, porque X-Men: Fênix Negra, que estreia essa semana nos cinemas, será a despedida dos X-Men como os conhecemos hoje.  Desde 2000, ainda com a primeira geração, que incluía Hugh Jackman, Famke Janssen e Anna Paquin, eu gostava de acompanhar essas aventuras (e sempre achei que Wolverine e Jean Grey deveriam ficar juntos). Com X-Men: Primeira Classe, provavelmente o melhor da franquia, conhecemos outros Xavier, Magneto, Mystique. E James McAvoy e Michael Fassbender (dois dos meus Top 10), trilharam um novo caminho ao lado de Jennifer Lawrence, Nicholas Hoult, Evan Peters (adoro!) e Sophie Turner. Agora, no desfecho de Fênix Negra, quem brilha, novamente, é a minha X-Woman (como diria Mystique) preferida, Jean Grey.

Ela é o ponto central da história. Durante uma missão de resgate no espaço com risco de vida, Jean é atingida por uma força cósmica que a transforma em um dos mais poderosos mutantes. Lutando com esse poder cada vez mais instável, e também com seus próprios demônios, Jean fica fora de controle. Com isso, ela acaba dividindo a família X-Men e ameaçando destruir a própria estrutura do nosso planeta. Entre aqueles que querem salvá-la e os que preferem eliminá-la, a franquia chega ao seu final como a conhecemos.

Como terminar uma saga em grande estilo é sempre uma enooormee tarefa. O risco de não satisfazer boa parte dos fãs é enorme (o pessoal de Game of Thrones sabe disso). Por esse motivo, o diretor Simon Kinberg disse numa entrevista que preferiu dar um final à saga iniciada em X-Men: Primeira Classe e principalmente ao personagem de Jean Grey, do que seguir os quadrinhos. Assim, muito da história da raça Shi’ar e do império Shi’ar  acabou ficando fora da história. Provavelmente porque esse seria um fim, e não o início de uma história. Afinal, com a compra da Fox pela Disney, os X-Men (assim como Deadpool) finalmente irão se juntar ao Universo Marvel. E só podemos imaginar o que isso significará…

Com isso, o filme tem um quê de tristeza, algumas despedidas, e alguns retornos. Creio que ele é eficiente em contar a história dessa maneira. Veja bem, nunca li os quadrinhos. Mas dentro do universo cinematográfico dos X-Men, que já passou por universos paralelos, trocas de atores, e diversos spinoff’s, ele foi extremamente eficiente. Na maioria, o elenco, está com uma cara de “já acabou?”, especialmente Jennifer Lawrence. Ela deixou muito claro que não queria mais fazer outros filmes de X-Men, mas acabou retornando. Segundo ela, por respeito aos fãs – um bom cachê também deve ter tido um peso considerável.

É claro que o filme pertence a Sophie Turner. Ela é uma atriz limitada, mas tem aura de estrela. E assim como em Game of Thrones, ela agarra com unhas e dentes a oportunidade de reinar como a Fênix Negra. O problema do filme talvez seja a vilã. Jessica Chastain faz a mesma cara de sempre, e pelo menos a mim, não convence. Mas, tudo bem, o tema central do filme é aceitar um membro de uma família como ele é. Os vilões externos têm pouca importância.

Agora é aguardar como serão os próximos X-Men, e em qual universo eles aparecerão. E se você acompanhou todos os filmes como eu, vai curtir esse momento final. Ao contrário do que se falava devido às suas diversas mudanças de data de lançamento, Fênix Negra não é tão ruim quanto Quarteto Fantástico (seria impossível!!). Pelo contrário, é eficiente e vai nos deixar querendo mais!

Fotos de divulgação

Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Últimas Notícias

Cinema

Filmes de fantasia, que pretendem atingir crianças e adultos, podem acertar no tom, ou não. Várias versões erraram no tom. É o caso de...

Streaming

Bridgerton é uma delícia. Gosto muito das duas primeiras temporadas. A primeira tem cenas bem quentes, a segunda é mais sensual, com um jogo...

Cinema

Admiro muito as canções de Amy Winehouse. E, como sempre, fico triste de ver gente com tanto talento que acaba não conseguindo suportar o...

Cinema

Há uma infinidade de filmes de terror sobre grupos de jovens que se juntam em algum lugar e resolvem mexer com coisas que não...

Cinema

Belo Desastre, atualmente disponível na Prime Vídeo, é divertidíssimo. E o melhor, é um romance teen que não se leva a sério. Até mesmo...

Você também pode gostar de ler

Cinema

Quando você se depara com um filme estrelado por Anne Hathaway e Jessica Chastain, a probabilidade que ele seja muito bom é certa ,...

Moda

É claro que muita gente optou pelo pretinho  nada básico para a festa do Emmy, mas as cores predominaram. O vermelho, claro, era o...

Moda

É sempre difícil escolher os looks mais marcantes do ano. Sejam os melhores ou os piores, rsrs. Mas aqui estão os meus preferidos entre...

Cinema

Há um monte de filmes com o tema de técnico desiludido, que aceita treinar alguém (ou um time) sem a menor  chance de vencer....

Cinema

Gosto bastante da filmografia do diretor David Fincher. Meu preferido ainda continua sendo Seven – Os 7 Pecados Capitais (sensacional). Mas gosto de Mank,...

Streaming

Talvez em algum momento você tenha ouvido falar do Quibi. Foi um serviço de streaming, que funcionava somente no celular. Todo o conteúdo era...

Cinema

Muito comentada desde sempre, a versão live action de A Pequena Sereia chega aos cinemas nessa quinta-feira. As primeiras reações estão divididas. Há os...

Streaming

Não há um grande lançamento na Prime Vídeo esse mês, mas tem algumas coisas bem interessantes. É o Caso de Um Filho, com Hugh...