fbpx
Conecte com a gente

Olá, o que você está procurando?

Cinema

A Maldição da Batalha das Correntes

A Batalha das Correntes, que estreia hoje nos cinemas, teve uma história complicada. Ele foi feito em 2017, só que o produtor era Harvey Weinstein. E Harvey estava justamente trabalhando na edição desse filme quando estourou o escândalo do assédio sexual, e de toda a situação que gerou o movimento #MeToo. O filme ainda estreou no Festival de Toronto na época, mas logo foi arquivado. Passaram os direitos de empresa para empresa, até que ele fosse lançado na Europa em julho, nos Estados Unidos em outubro, e agora, essa semana, aqui no Brasil.

A Batalha das Correntes conta a história real da disputa entre  Thomas Edison (Benedict Cumberbatch) e George Westinghouse (Michael Shannon, substituindo Jake Gyllenhaaal) no final do século 19 sobre como deveria ser feita a distribuição da eletricidade. Edison faz uma campanha pela utilização da corrente contínua, já Westinghouse defende a corrente alternada.

A crítica

É óbvio que a intenção aqui era fazer um novo O Jogo da Imitação, com direito a todas as premiações do primeiro, também estrelado por Cumberbatch. Mas, infelizmente, houve alguns empecilhos. Além do problema de Harvey Weinstein, o filme acabou sendo maçante demais, perdendo muito tempo discutindo explicações técnicas sobre eletricidade. A disputa entre dois gênios que possibilitaram que tivéssemos acesso a tudo que temos hoje, acabou cansativa demais para o público.

É claro que as atuações de Benedict Cumberbatch, e especialmente de Michael Shannon, são dignas de nota. A reconstituição de época é boa, e a história de dois visionários poderia ter sido das mais interessantes. O problema é que ficou tudo muito chato. O que se destaca são as performances dos atores principais, e também do resto do elenco. Têm Tom Holland (que contracena com Benedict antes de fazer os dois últimos Vingadores), Nicholas Hoult e Katherine Waterston, todos conhecidos de grandes sucessos do cinema. Também tem outros que adoro, como Matthew McFadyen e Tuppence Middleton, de Sense8. Mas, infelizmente, no final, fica aquela sensação de um filme que poderia ter sido incrível, e ficou sendo apenas esquecível.

Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Últimas Notícias

Cinema

Filmes de fantasia, que pretendem atingir crianças e adultos, podem acertar no tom, ou não. Várias versões erraram no tom. É o caso de...

Streaming

Bridgerton é uma delícia. Gosto muito das duas primeiras temporadas. A primeira tem cenas bem quentes, a segunda é mais sensual, com um jogo...

Cinema

Admiro muito as canções de Amy Winehouse. E, como sempre, fico triste de ver gente com tanto talento que acaba não conseguindo suportar o...

Cinema

Há uma infinidade de filmes de terror sobre grupos de jovens que se juntam em algum lugar e resolvem mexer com coisas que não...

Cinema

Belo Desastre, atualmente disponível na Prime Vídeo, é divertidíssimo. E o melhor, é um romance teen que não se leva a sério. Até mesmo...

Você também pode gostar de ler

Cinema

Última estreia de filme de terror do ano – e foram tantas! O Senhor do Caos chega aos cinemas nessa quinta – pena que...

Streaming

A semana que começa neste domingo tem várias estreias interessantes – para o melhor e para o pior – para você acompanhar. Veja aqui...

Streaming

Essa semana teve a estreia nos cinemas de Homem- Aranha através do Aranhaverso. A maioria da crítica amou, mas eu achei apenas ok. Inferior...

Streaming

A Apple TV Plus tem bem menos lançamentos que as suas maiores concorrentes, como Netflix e Prime Video. Mas, tem sempre conteúdos com grandes...

Streaming

O Mauritano foi um daqueles casos de filmes que eu queria muito ver, mas por uma razão ou outra, nunca assisti. O filme foi...

Streaming

Filmes de super-heróis são sempre um assunto espinhoso para conversar e/ou indicar. Tem aqueles que preferem os mais fiéis aos quadrinhos. Outros, só gostam...

Streaming

Logo quando saiu o primeiro trailer de O Menu, falei que adorava filmes sobre gastronomia. Só que quando o filme chegou aos cinemas, acabei...

Cinema

Eu adoro essa maneira como Nicolas Cage se reinventou – e decidiu que não vai mais se levar a sério. Rsrsrs. Primeiro foi com...