fbpx

A beleza do filme Troca de Rainhas

Filmes sobre bastidores de monarquias normalmente tem um apelo especial. Aquela coisa de fofocas, tramas para conseguir mais poder, tudo cercado por lindos palácios, muita elegância,  e belos vestidos, são sempre interessantes.  Ainda mais porque, em sua maioria, têm um fundo histórico. É o caso de Troca de Rainhas, que estreou essa semana nos cinemas. O filme é uma produção franco-belga, foi indicado ao César e vale um ingresso de cinema… se essa for a sua praia…

A trama, baseada no livro do mesmo nome de Chantal Thomas é interessantíssima. No início dos anos 1700, Luís XV (Igor van Dessel), de 11 anos, logo se tornará rei e, uma troca de princesas permitiria consolidar a paz com a Espanha após anos de guerra, que deixaram os dois reinos enfraquecidos. Então, Felipe de Orléans (Lambert Wilson) casa a francesa , Mlle de Montpensier (Anamaria Vartolomei), de 12 anos (a atriz parece pelo menos uns seis anos mais velha) com seu filho, o herdeiro do trono da Espanha. E do outro lado, o rei Luís XV se casa com a Infanta da Espanha,  filha de Don Felipe, Anna Maria Victoria, de 4 anos – sim 4 anos – (Juliane Lepoureau). A troca é feita num local perto da fronteira dos dois países, e tudo está sendo organizado luxuosamente. Só que os desejos das crianças podem ser bem diferentes daquilo que se espera.

Os costumes de então, com crianças casando, e vidas sendo jogadas para lá e para cá ao prazer de alguns, parece absurdo (e é) aos olhos das pessoas nos dias de hoje. O próprio diretor, Marc Dugain,  revelou que seu interesse pela história partiu de um fator pessoal: seu avô foi desfigurado pela Primeira Guerra Mundial. Por esse motivo, ele começou a refletir sobre o quanto a história pode afetar a vida individual de algumas pessoas. O filme é bem crítico com relação a isso, especialmente no que diz respeito às duas princesas  e posteriormente rainhas.

Resultado de imagem para L'échange des princesses 2017

O grande triunfo do filme, entretanto, é justamente uma delas,  a princesa Anna Maria. Feita pela criança mais linda e expressiva que vi em tempos recentes – Juliane Lepoureau – , ela tem um olhar de quem está pronta a seguir seu destino com delicadeza e charme, mas compreende que nem tudo pode ser como se espera. Ela é responsável pelas melhores cenas do filme.

O filme entrou em cartaz nas seguintes cidades: São Paulo, Rio de Janeiro, Niterói, Curitiba, Vitória, Belo Horizonte, Brasília, Florianópolis, Porto Alegre, Salvador e Recife.

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *