A morte de Mark Salling

Foi um choque ler a notícia que foi publicada pelo site TMZ .O ator Mark Salling foi encontrado morto na manhã desta terça-feira  em Los Angeles, após um aparente suicídio. Se foi ou não, ainda não foi oficialmente confirmado. Mas na noite de ontem uma pessoa da família reportou à polícia que ele estava desaparecido. A polícia foi checar e o encontrou enforcado em uma árvore próximo a um campo de baseball. Segundo a polícia declarou ao TMZ, ele já estava morto há algum tempo. Ele tinha 35 anos.

Mark ficou famoso por seu papel como Noah Puckerman, o “bad boy”  de Glee. Não era um bom ator, mas não comprometia, e cantava bem. Mas com o final da série, os problemas vieram à tona. No final de dezembro de 2015, Mark foi  preso por possuir pornografia infantil após a polícia conseguir um mandato para fazer buscas em sua casa. Lá, encontraram mais de 50 mil imagens em seu computador. Ele foi indiciado e condenado a um período na prisão entre quatro a sete anos, com 20 anos de liberdade condicional. Sua sentença oficial seria anunciada no próximo dia 7 de março.

Resultado de imagem para mark salling

Naya Rivera, que também estava em Glee, namorou com Mark Salling durante dois anos. Segundo sua biografia, Sorry, Not Sorry, Naya diz que ele terminou com ela em 2010 depois que seu agente mencionou que seria melhor para sua carreira que ele fosse solteiro. “Ele sempre foi uma alma escura (dark soul) para mim. Eu sempre achei que havia algo com o que ele lutava internamente… Quando Mark me deixou, eu achei que era a pior coisa do mundo. Todo mundo deveria ter uma relação a qual você olha para trás e se pergunta, ‘O que diabo eu estava pensando?'”. Bem, Naya deve ter várias dessas...

Resultado de imagem para naya rivera mark salling

De qualquer maneira, é claro que ele fez muita coisa errada. Mas, para quem era/é Glee, fica um gostinho amargo na boca. Sobre como talento pode ser desperdiçado, como as pessoas tem grandes chances e por seus demônios internos, acabam destruindo tudo. Pena, mas fica sempre a lembrança do que poderia ter sido…

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *