Hereditário se intitula como terror. Mas nem tanto…

Depois de sua exibição na sessão da meia-noite do Festival de Sundance este ano, Hereditário tem sido comentado em todas as rodas. Alguns  chegaram a dizer que ele era o melhor filme de terror de todos os tempos. Agora, que vai estrear nos cinemas por aqui nessa semana, é possível que todos possam tirar suas próprias conclusões. Eu tenho a minha, e você pode ver nesse texto. Posso já começar dizendo que, realmente, Hereditário é um filme de terror diferente de todos que você já viu.

Resultado de imagem para hereditary movie photos

O filme começa mostrando a família de Annie ( Toni Collette). A mãe dela morreu recentemente, mas Annie nunca se deu bem com ela. Sua própria vida em família também é um pouco complicada. O marido (Gabriel Byrne) tenta fazer tudo para poupá-la, o filho adolescente, Peter (Alex Wolff, de Jumanji), se ressente da mãe que o atacou durante um ataque de sonambulismo, e a filha, Charlie (Milly Shapiro, que fez Matilda na Broadway, estreando no cinema),  é uma garota “diferente”, que corta a cabeça de pássaros. Só que a a morte da matriarca acaba afetando todos eles de maneira muito diferente abrindo espaço para a tragédia, e outras estranhas ocorrências, que faz com que todos acabem descobrindo alguns segredos obscuros, que tem obviamente a ver com a chegada de Joan (Ann Dowd, de The Handmaid’s Tale)

Primeiro é bom avisar que o filme é longo, beeem longo para um terror, com duas horas e sete minutos. E a razão disso é porque, na verdade, durante boa parte do filme ele não é um terror, e sim um drama sobre uma família totalmente disfuncional. Aliás, são tantas idas e vindas que você pode até ficar meio confuso no final. O diretor estreante Ari Aster, argumentou em entrevistas que na verdade a família vive em círculos já que está sendo manipulada desde o início. Ok, mas de qualquer maneira, por mais que o filme tente vender a ideia de uma suspense psicológico, ele não conseguiu me convencer, e também não me faz sentir medo. A exceção são os 10 minutos finais – que na verdade são aqueles que ficarão na mente das pessoas quando saírem do cinema. É nesse momento em que o filme consegue assustar… um pouco.

Resultado de imagem para hereditary movie photos

Na verdade, saí do cinema cansada, exaurida por uma interpretação tão intensa , principalmente de Toni Collette. Sim , ela é ótima, e obviamente se entregou totalmente ao filme (ela também é produtora). Mas foi  demais! No final, o que vem à mente é uma homenagem clara a O Bebê de Rosemary. Mas só que aquele não demorava quase duas horas para assustar somente nos 10 minutos finais. Aquilo sim, era um terror!!

Resultado de imagem para rosemary's baby ending

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *