A importância e a fraqueza de Colheita Amarga

Eu gosto muito de história. Era minha matéria preferida na escola  e sempre gostei de ler livros e ver filmes que abordassem fatos históricos. Me julgo uma pessoa bem informada quanto a isso. Mas confesso que nunca tinha ouvido falar de Holodomor. Trata-se de um momento na história da Ucrânia durante os anos 30 quando o ditador russo Joseph Stalin deliberadamente matou de fome milhões de pessoas em um política absurda de acabar com a população local que era responsável por boa parte da agricultura da então União Soviética. Devido aos segredos da época, o mundo só soube do tamanho desse absurdo nos anos 90, já que as informações sobre o assunto  sempre foram mantidas sob censura. Até hoje não se sabe exatamente quantas pessoas morreram, mas calcula-se algo por volta  de 10 milhões. O filme Colheita Amarga, que estreou essa semana nos cinemas, é o primeiro a contar essa história verdadeira como pano de fundo de um romance de ficção.

Resultado de imagem para bitter harvest movie

Tudo começa com a apresentação dos jovens apaixonados Yuri (Max Irons) e Natalka (Samantha Barks). O momento é de incerteza após a morte de Lênin, mas os dois vivem uma vida tranquila nos campos da Ucrânia. Só que quando Stalin assume o poder da União Soviética, ele dá início a um processo coletivo para angariar as colheitas para alimentar os exércitos. Depois da morte de seu pai assassinado pelos soldados, Yuri decide ir para a cidade grande com o objetivo de melhorar de vida  e estudar arte, para  depois poder buscar Natalka, que tem que ficar para cuidar de sua mãe. Só que tanto na cidade quanto no campo, o exército atira primeiro e não pergunta depois. Então, Yuri tem que arrumar um jeito de voltar para sua casa para pegar Natalka para então poderem fugir para a Polônia.

O problema do filme é que a historinha de amor é tão dispensável, os atores são tão insossos, que você acaba ficando com preguiça da história. A inspiração óbvia aqui é Doutor Jivago, mas o carisma de Max Irons e Samantha Barks fica tremendamente a dever ao de Omar Sharif e Julie Christie. Isso sem falar o óbvio, apesar da fotografia bonitinha, o diretor de filmes de TV como O Enxame, George Mendeluk, terá que esperar outra vida para chegar aos pés de David Lean. Só que, é  claro que a culpa também não é só dele, boa parte vai para o roteiro de dele, mas também de Richard Bachysnki Hoover, baseado em sua história.

Resultado de imagem para dr zhivagoResultado de imagem para bitter harvest movie

Contando ainda com as participações  de Terence Stamp e Barry Pepper ( que parecem até estar envergonhados), este é o caso de um filme que tem um tema importante, que merece ser conhecido. Pena que o mostra de maneira tão fraquinha e sem sal.

 

 

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *